São Paulo, 11 de Dezembro de 2016

/ Finanças

Três aplicações para evitar neste ano
Imprimir

Rentabilidade menor do que a inflação e taxas altas são características comuns de aplicações que se tornam micos na cesta de investimentos dos pequenos poupadores

O ciclo de aumento da taxa básica de juros Selic, que hoje está em 12,75% ao ano, elevou os ganhos da renda fixa e este é o momento de observar se há dinheiro parado em aplicações que estão dando prejuízo.

É preciso observar se o rendimento está baixo demais, a ponto de não repor a inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) que, em fevereiro, foi de 1,22%.

Outra questão que faz da aplicação um mico são as taxas de administração e de carregamento, que reduzem ainda mais o retorno na hora da retirada. 

Especialistas em finanças pessoais elegem os três micos que podem estar na cesta de investimento dos pequenos aplicadores, e explicam porque sair deles o quanto antes. Eles também sugerem um destino melhor para que o dinheiro possa crescer neste ano de desafios. 

POUPANÇA

A caderneta rendeu apenas 0,59% em fevereiro, bem menos do que a inflação do mês passado, que foi de 1,22%. 
“Vivemos no país da renda fixa e nada leva a crer que isso mude. Dos 50 principais países do mundo, o Brasil tem a maior taxa de juros. Então é preciso aproveitar isso. O retorno da caderneta não está garantindo o poder de compra”, diz Samy Dana, professor de finanças da EAESP-FGV (Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas).

Por comodismo, muitos investidores deixam o dinheiro na caderneta. Afinal, é uma aplicação popular, simples, isenta de Imposto de Renda (IR) e que permite o resgate a qualquer momento. 

Essa simplicidade faz da caderneta a melhor aplicação para iniciar o hábito de poupar e acumular até conseguir uma boa taxa para investir em outros instrumentos mais rentáveis.

Mauro Calil, especialista em investimentos do banco Ourinvest, diz que uma alternativa para quem tem a partir de R$ 1 mil na poupança é pesquisar os fundos referenciados DI (Depósito Interbancário) com possibilidade de resgate diário e taxa de administração de no máximo 1%. 

“Uma aplicação nessas condições é melhor do que a poupança. A rentabilidade dos fundos, mesmo com taxas e impostos será de 0,65% a 0,70% ao mês”, sugere Calil. 

TÍTULOS DE CAPITALIZAÇÃO 

“Esse é um mico permanente, independentemente do cenário para a taxa de juros, porque não é investimento e sim sorteio”, diz Calil. A aplicação do dinheiro em títulos de capitalização em casos poucos não corrige nem a inflação do período, segundo o especialista. 

O atrativo dos títulos é a possibilidade de ganhar muito dinheiro em um sorteio. Só que, segundo Calil, o banco acaba aplicando o recurso e ganhando juros em cima disso. “O fato é que acaba sendo uma forma de captar, receber juros e repassar pouco ou quase nada para quem comprou o título de capitalização”, diz. 

No lugar da ilusão de ganhar muito em um sorteio, o pequeno aplicador que colocou recursos nesses títulos deve avaliar investir em outras aplicações. 

Jansen Costa, planejador financeiro certificado com o CFP (Certified Financial Planner), diz que é possível aplicar mesmo com pouco dinheiro, ou a partir de R$ 30, em títulos do Tesouro Nacional.  

No entanto, dificilmente os bancos indicam esse caminho, pois têm interesse em vender produtos próprios. Para aplicar nos títulos públicos, o pequeno aplicador deve abrir conta em uma corretora – há casas que não cobram taxas – para comprar os títulos. No entanto, há incidência de Imposto de Renda sobre o rendimento no resgate. 

Nesse momento, deve escolher entre títulos pós-fixados (pagam a variação da Selic no vencimento e resgate) e prefixados (com rentabilidade definida no ato da compra). 

“Neste momento indico títulos pós-fixados, que correm menos risco de perder o valor caso a pessoa precise resgatar o dinheiro antes do vencimento. Outra dica importante na hora de investir é verificar se há a possibilidade de resgatar o dinheiro em caso de emergência”, diz. 

PREVIDÊNCIA E SEGUROS

Quando se fala em previdência e seguros de vida, é importante lembrar que o objetivo principal de ambos é a proteção contra a falta de dinheiro na terceira idade e da família diante de imprevistos que podem acontecer ao titular do plano. 

Mas na hora de conversar com o gerente do banco, invariavelmente ele oferece produtos de proteção como aplicação financeira, como um porto seguro para deixar o dinheiro.

E aí ocorre uma distorção que prende o pequeno aplicador: se ficar arrependido não pode sacar todo o montante por causa dos impostos no resgate, e acaba tendo um rendimento baixo, pois paga taxa de administração e de carregamento. 

“Quem procura uma aplicação para deixar por um ano não deve colocar em plano ou fundo de previdência. É uma estratégia errada porque a tributação é alta”, diz Calil.

Só se aplica em plano de previdência se o objetivo for mesmo ter uma renda na aposentadoria ou mesmo a intenção de sacar depois de 10 anos ou mais, quando a tributação pode ser de 10%. “Fora este caso não vale a pena porque o rendimento tem sido baixo, de 0,8% ao mês dependendo do tipo de plano, que pode ser mais atrelado à renda fixa ou à bolsa”, diz.

Os especialistas avaliam que as pessoas acabam aceitando a previdência como uma aplicação financeira porque não olham para todos os detalhes – apenas para a possibilidade de abater 12% no Imposto de Renda (IR), que é uma vantagem do PGBL (Plano Gerador de Vida Livre). “É uma ilusão porque na hora do resgate, o imposto incidirá sobre toda a soma guardada na previdência e não só sobre os rendimentos”, afirma.

O especialista explica que se a pessoa tem um valor superior a R$ 5 mil e pode esperar para resgatar em um ano há opções mais interessantes para aplicar o dinheiro sem pagar IR e nem as taxas de administração e carregamento. 

É o caso das LCIs (Letras de Crédito Imobiliário) e LCAs (Letras de Crédito do Agronegócio), que rendem um percentual do CDI (Certificado de Depósito Interbancário, taxa praticada entre bancos) e são asseguradas pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito). 
No entanto, ele dá um alerta para quem vai pesquisar: “Como os juros estão altos, evite entrar em aplicação de renda fixa com retorno menor que 0,9% ao mês”, diz. 



Wagner Paludetto, consultor financeiro do Sebrae-SP, fala sobre a importância de projetar as receitas e despesas para o próximo ano

comentários

No acumulado de 11 meses deste ano, os saques superam os depósitos em R$ 51,370 bilhões

comentários

Proposta é que regra de cálculo do benefício seja um piso de 51% da média de salários de contribuição, acrescido de um ponto percentual por ano de contribuição

comentários