São Paulo, 27 de Setembro de 2016

/ Finanças

Santander Brasil libera R$ 15 bilhões em crédito para PMEs
Imprimir

O objetivo declarado do banco espanhol é ampliar a carteira de novos clientes oferecendo facilidades na concessão e benefícios para capacitar e até internacionalizar empresas

O Santander Brasil lançou nesta terça-feira (19), na capital paulista, uma plataforma global de incentivo ao financiamento e desenvolvimento das pequenas e médias empresas brasileiras.

Por meio da “Santander Negócios & Empresas”, o banco passa a oferecer R$ 15 bilhões em crédito, com taxas de juros e condições dependendo do perfil e relacionamento do cliente com o banco, além de ações de desenvolvimento pelo Programa Avançar.  

O objetivo, segundo o banco, é expandir sua carteira de clientes PME, hoje estimada em 700 mil no Brasil (de um total de 4 milhões em mais de 20 países), mirando Microempreendedores Individuais (MEIs) e empresas que faturam até R$ 80 milhões por ano.

Esses créditos serão adicionais à atual carteira de PMEs, estimada em R$ 38,5 milhões (ou 12% do total do banco).

LEIA MAIS: Sebrae garante R$ 25 milhões em crédito para franquias

A ideia, segundo Jesús Zabala, presidente do Santander Brasil, é reduzir a burocracia e oferecer uma proposta diferenciada para esses clientes. Além de apoiar as empresas para que continuem crescendo neste período de ajustes na economia.

“As PMEs respondem por 20% do PIB, e geram 60% dos empregos. Assim como em outros países, queremos ser ‘o banco dos empreendedores’. Confiamos que em um ano o Brasil voltará a crescer, e queremos crescer junto com essas empresas”, afirma.  

Entre as facilidades prometidas pelo banco, na parte financeira os clientes podem abrir a conta, usar canais de atendimento e ter crédito liberado no mesmo dia, dependendo do perfil.

Também podem aumentar o crédito ao concentrarem os recebíveis nas maquininhas de cartão do banco (a GetNet), além de um novo cartão de crédito empresarial em junho, entre outras.

Já na parte não-financeira, o Programa Avançar será dividido em três pilares. Um é a  capacitação de PMEs e funcionários, através do convênio com 27 universidades.

Outro é o Construindo Equipes, em que o Santander subsidiará estagiários por quatro meses. Aqui, a perspectiva é selecionar 500 estudantes em 2015, e chegar a 3 mil em três anos.

“O desemprego está crescendo, então queremos também ajudar jovens universitários a encontrarem oportunidades”, afirma Zabala.

Por último, há a área de apoio à internacionalização, a Santander Trade, portal com informações estratégicas de 186 países e acesso a mais de 25 mil estudos setoriais.  

Da esq. para a direita, Engel, Zabala e Viani: apoio ao empreendedorismo / Fotos: Della Rocca (Divulgação)

Ela também inclui um clube de networking, e realização de negócios e missões de empresários com especialistas do banco e empreendedores da Europa, Estados Unidos e América Latina.  

“O Brasil hoje é mais focado no mercado local, mas tem uma vocação exportadora muito grande, principalmente no ambiente da média empresa. Vamos trabalhar muito nisso”, afirma Conrado Engel, vice-presidente executivo sênior de varejo do Santander.

De acordo com o banco, foram investidos R$ 5 bilhões em tecnologia e inovação em 2014 para adequar a plataforma. Entre os parceiros do projeto, estão Sebrae, Endeavor, FGV, Universia, Insper, Ciatech e a Secretaria Especial da Micro e Pequena Empresa.

INADIMPLÊNCIA

Questionados sobre a inadimplência das empresas e uma liberação tão alta de crédito em tempos de economia fraca, os executivos do Santander afirmam que, no ambiente da pequena e média empresa, o indicador está em linha com a expectativa do banco. “A tendência é declinante”, afirma Conrado Engel.

O recuo entre as PMEs é semelhante ao da pessoa jurídica, segundo o executivo. Em março, encerrou com queda de 0,1 ponto percentual ante o trimestre anterior, e ficou em 2%.

“Obviamente, o contexto é mais adverso, mas estamos preparados para administrar essa inadimplência”, diz Ede Viani, diretor responsável pela Santander Negócios & Empresas.  

O anúncio da plataforma acontece uma semana após o Bradesco assinar sua adesão ao Fampe (Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas). Nele, o banco vai liberar R$ 25 milhões em crédito para franquias, tendo o Sebrae como avalista e o apoio da Associação Brasileira de Franchising (ABF).  

No final de 2014, o Santander também assinou, junto com o Bradesco, protocolo de intenções para aderir ao fundo de aval do Sebrae, dentro da estratégia de focar o desenvolvimento das PMEs.

Segundo Viani, o banco ainda está em fase de formalização de processos, mas deve finalizar e aderir em breve.  



Nascidos na era da internet, esses jovens não gostam de hierarquia, e esperam um ambiente corporativo semelhante ao seu mundo: veloz, interativo e integrado

comentários

Menos de um quarto delas no Estado de São Paulo conseguiu levantar financiamentos em bancos no mês passado, segundo o Sindicato da Micro e Pequena Indústria

comentários

Entenda por que grandes empresas, como Riachuelo, Bradesco e Porto Seguro, estão cada vez mais interessadas em estampar seus nomes em centros culturais

comentários