São Paulo, 03 de Dezembro de 2016

/ Finanças

Revelados os nomes de brasileiros com contas no HSBC da Suíça
Imprimir

A revista "Época" teve acesso ao relatório sigiloso da Receita Federal com o nome dos 15 primeiros brasileiros que estão sendo averiguados no caso conhecido como SwissLeaks

A revista "Época" teve acesso à lista de 342 correntistas brasileiros do banco HSBC na Suíça e ao relatório sigiloso da Receita Federal com o nome dos 15 primeiros brasileiros que estão sendo averiguados no caso, revelado há 15 dias, que ficou conhecido como SwissLeaks.

A revista destaca que fazem parte dessa lista outros empresários, doleiros e, segundo o documento, gente suspeita de ligação com o tráfico de drogas. "Alguns podem ter sido relacionados somente por terem conta na Suíça, o que não é ilegal", ressalta a reportagem. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, determinou a entrada da Polícia Federal no caso.

O vazamento começou quando documentos com dados de 106 mil pessoas com contas no HSBC na Suíça foram entregues por um ex-funcionário do banco a autoridades francesas e chegaram a um grupo internacional de jornalistas investigativos, o International Consortium of Investigative Journalism (ICIJ). A estimativa é que os depósitos dos brasileiros neste banco totalizariam US$ 7 bilhões entre 2006 e 2007.

De acordo com a revista, o fisco brasileiro recebeu uma relação de 342 investidores e analisou a lista, cruzando-a com dados do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). Daí surgiu a lista dos primeiros 15 brasileiros, que a Época divulga com exclusividade.

A revista revelou que integra a lista nomes como o do gaúcho Lirio Parisotto, diretor presidente da fabricante de plásticos Videolar, e Ricardo Steinbruch, empresário e presidente do Grupo Vicunha. Os dois costumam figurar nas listas dos empresários mais ricos do país.
Em reposta à matéria, Lírio Parisotto disse que o valor que consta em sua conta no HSBC na Suíça é declarado e compatível com a sua receita.

LÍRIO PARISOTTO: "VALOR É DECLARADO"

 

A família Steinbruch, que também é dona do Banco Fibra, declarou que todos os ativos no exterior pertencentes à família têm finalidades lícitas e estão de acordo com a lei.

RICARDO STEINBRUCH: "FINALIDADES LÍCITAS"

 

"Quanto às menções a pessoas de sobrenome Steinbruch constantes de dados que foram roubados do Banco HSBC e manipulados, reiteramos que não correspondem à verdade e, por sua origem criminosa, não merecem comentários", diz a família em resposta à reportagem.

Outros nomes que constam na reportagem são: Arnaldo José Cavalcanti Marques, empresário pecuarista; Conceição Aparecida Paciulli Abrahão, dona de casa; Dario Messer, doleiro; Elie Hamoui, empresário do ramo alimentício; Generoso Martins das Neves, empresário e administrador da empresa de ônibus Braso Lisboa e Jacks Rabinovich, empresário com participações nos grupos Vicunha e Fibra. Todos eles negaram ter contas na Suíça. Jacks Rabinovich não quis falar com a reportagem.

Constam também da lista publicada pela Época, Jacob Barata, empresário do grupo Guanabara, de transporte público no Rio de Janeiro, que negou a existência de contas no HSBC na Suíça; Jean Marc Schwartzenberg, consultor de mídia, que negou ter enviado dinheiro ao HSBC da Suíça; José Roberto Cury, engenheiro e fundador da Tricury Construções e Participações, que afirmou desconhecer essa investigação; Luiz Carlos Nalin Reis, arquiteto e ex-secretário de Planejamento do Acre, que segundo a revista não respondeu aos telefonemas da reportagem; Mário Manela, empresário, que negou que tenha tido conta no HSBC; Renato Plass, administrador, que, de acordo com a Época, não respondeu aos recados da reportagem e Samuel Chadrycki, empresário e advogado, que não foi localizado pela reportagem.

PUNIÇÃO
A Polícia Federal (PF) encontrou indícios de crime nas operações dos 4,8 mil brasileiros que mantinham contas secretas no banco HSBC na Suíça. Diante da informação, transmitida na sexta-feira, dia 27, ao governo federal, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, determinou a entrada da Política Federal no caso.

"Quem praticou ato ilícito, pouco importa se tenha poder econômico ou poder político, será investigado e, comprovado o crime, será responsabilizado na forma da lei penal", afirmou Cardozo.

A decisão do ministro foi tomada após reunião realizada na sexta-feira com técnicos da Receita Federal, da PF e do Ministério da Justiça.
A investigação da Polícia Federal vai se somar à conduzida pela área de inteligência da Receita Federal, que promove uma inspeção para apuração de crime fiscal. Há uma semana, o fisco anunciou seu acesso à parte da lista de cidadãos brasileiros que "supostamente possuíam relacionamento financeiro com aquela instituição financeira na Suíça".

Questionado sobre a atuação do governo pelo lado criminal e fiscal, Cardozo afirmou que, "normalmente, são situações interligadas". Por isso, o ministro também determinou ao Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional (DRCI) que "faça colaboração internacional, com a Suíça, para obter informações e conseguir a recuperação de ativos que pertencem aos cofres públicos".

Nada menos do que 6,6 mil contas bancárias abertas no HSBC na Suíça, pertencentes a 4,8 mil cidadãos de nacionalidade brasileira, estavam fora dos registros.

"Investigações devem ser feitas com discrição e sigilo. A orientação que dou em todos os casos à Polícia Federal é que sejam feitas estritamente dentro da lei", disse Cardozo.

 



Em até oito anos startup fundada pela Universidade Oxford (foto) deve criar testes rápidos para detecção de doenças que serão comercializados internacionalmente

comentários

O contribuinte interessado no programa deve acessar o Centro de Atendimento Virtual da Receita (e-CAC). O pagamento do imposto e da multa não pode ser parcelado

comentários

Para regularizar os recursos, é preciso pagar 15% de Imposto de Renda e 15% de multa, totalizando 30% do valor repatriado

comentários