São Paulo, 11 de Dezembro de 2016

/ Finanças

Recuperação de crédito dos consumidores tem queda recorde
Imprimir

Levantamento da Boa Vista SCPC revela que a queda atingiu 4,3% no acumulado em 12 meses, a maior da série histórica iniciada em janeiro de 2005

O indicador de recuperação de crédito do consumidor da Boa Vista SCPC teve queda de 4,7% em março ante fevereiro. Na comparação com março de 2014, a retração foi de 2,9%. Em 12 meses, ante igual intervalo do ano anterior, a baixa é de 4,3%. E no primeiro trimestre o indicador caiu 3,6% em relação ao mesmo período de 2014.

A queda de 4,3% no acumulado em 12 meses é a maior da série histórica, iniciada em janeiro de 2005. "Em 2015, além da menor intensidade das transações no mercado de crédito, observa-se maior deterioração do cenário macroeconômico no Brasil - especialmente para o mercado de trabalho", diz a Boa Vista em nota.

Segundo a empresa, apesar de, no momento, os fundamentos do mercado de crédito permanecerem ainda em bons níveis, deve ocorrer uma ligeira deterioração nos próximos meses. Isso trará novo resultado negativo na recuperação de crédito, que deve fechar o ano com queda de 1,5% na comparação com 2014.

O indicador que considera a recuperação de crédito do consumidor apenas no setor varejista registrou recuo de 3,8% em março na comparação mensal e queda de 15,3% na variação anual. Na divisão por regiões geográficas, na margem o índice geral apresentou maior baixa no Centro-Oeste (-5,8%), seguido do Sudeste e Nordeste (ambos com -4,9%), Sul (-3,9%) e Norte (-1,2%).

O indicador de recuperação de crédito é elaborado a partir da quantidade de exclusões dos registros de dívidas vencidas e não pagas informados anteriormente à Boa Vista pelas empresas credoras.



O valor, que deve ser restituído ainda este mês, compensa parte de um aporte de R$ 400 bilhões feito pelo Tesouro ao banco entre 2009 e 2014

comentários

Wagner Paludetto, consultor financeiro do Sebrae-SP, fala sobre a importância de projetar as receitas e despesas para o próximo ano

comentários

Apesar de 83% dos inadimplentes jovens carregarem smartphones, a maioria rejeita negociar por voz. Uso de whatsapp dobrou

comentários