São Paulo, 25 de Setembro de 2016

/ Finanças

Poupança tem pior desempenho mensal da história
Imprimir

Resgates de R$ 6,26 bilhões da poupança em fevereiro mostram que está difícil para o consumidor fazer o dinheiro sobrar no fim do mês

Está cada vez mais difícil fazer o dinheiro sobrar no fim do mês. E junto com isso, a economia atravessa um ciclo de alta dos juros básicos e de dólar alto que tornam outros investimentos mais atrativos. Esse conjunto de fatores fez a caderneta de poupança ter o pior desempenho mensal da história em fevereiro.

Mais do que isso: os resgates R$ 6,26 bilhões maiores do que os depósitos no mês passado somam quase a cifra negativa de um ano todo. Em 1999, por exemplo, o volume de retiradas líquidas no acumulado do ano foi de R$ 8,77 bilhões. Em 2000, o resultado anual ficou negativo em R$ 7,54 bilhões.

De acordo com dados do Banco Central divulgados nesta quinta-feira (5), o saldo de fevereiro foi bem pior.

Até o dia 26, os saques somavam R$ 10,5 bilhões. O valor registrado até o penúltimo dia útil do mês era maior, inclusive, do que o ano inteiro de 2003, quando os resgates líquidos da poupança somaram R$ 10,42 bilhões. Foi o maior volume de retiradas em um ano dos últimos 20 anos.

Só no último dia de fevereiro entraram aplicações no valor de R$ 4,23 bilhões. O movimento de concentração no fechamento dos meses é comum por conta de economias dos salários dos poupadores que muitas vezes vão de forma automática para a aplicação.

Com o resultado de fevereiro, o saldo total da poupança ficou em R$ 658,191 bilhões, já incluindo os rendimentos do período, no valor de R$ 3,678 bilhões.

O Banco Central começou a compilar os dados atuais em 1995. Até o dado conhecido hoje, o maior resgate líquido mensal da poupança havia sido em março de 2006, de R$ 3,8 bilhões, superado posteriormente pelo resultado de janeiro. No primeiro mês de 2015, as retiradas já foram superiores às aplicações em R$ 5,53 bilhões. Foi a primeira vez que isso ocorreu após nove meses consecutivos de depósitos superiores aos resgates.

Os depósitos na caderneta em fevereiro somaram R$ 135,907 bilhões, enquanto as retiradas foram de R$ 142,171 bilhões. No primeiro bimestre do ano, a poupança já acumula um resgate líquido de R$ 11,792 bilhões.

RUMORES
Em meados do mês passado, o Ministério da Fazenda divulgou nota à imprensa informando que não procediam as "informações que estariam circulando pela mídia social de que haveria risco de confisco da poupança ou de outras aplicações financeiras".

A nota da pasta dizia ainda que "tais informações são totalmente desprovidas de fundamento, não se conformando com a política econômica de transparência e a valorização do aumento da taxa de poupança de nossa sociedade, promovida pelo governo, através do Ministério da Fazenda".
 



Redução do volume de investimento não terá grande impacto nas metas operacionais. O plano também prevê a adoção de orçamento zero e novas medidas para redução de custos

comentários

Nos oito meses de 2016, a retirada chegou a R$ 48,187 bilhões, de acordo com dados do Banco Central

comentários

Além de impopulares, aumentos de impostos poderiam comprometer o processo de retomada da economia, abatida por seis trimestres de recessão

comentários