São Paulo, 28 de Abril de 2017

/ Finanças

Pedidos de falência caíram em todo o país
Imprimir

Passado o período de intensa retração da atividade econômica, as empresas passam a esboçar sinais mais sólidos de recuperação, de acordo com a Boa Vista SCPC

Os pedidos de falência caíram 9,9% em todo o país no acumulado dos três primeiros meses do ano, na comparação com o mesmo período de 2016. A informação foi dada nesta quarta-feira (05/04), pela Boa Vista - Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC). Em março, houve queda de 5,2% na comparação com o ano anterior.

De acordo com a pesquisa, as falências decretadas no trimestre subiram 7,6%. Na comparação com março de 2016, houve alta de 6,9%.

Os pedidos de recuperação judicial apresentaram queda de 15,2% em três meses e alta de 14,6% em relação a março do ano passado. As recuperações judiciais acusaram elevação de 10,2% e aumento de 22,2% em relação a março de 2016.

As pequenas empresas foram as mais afetadas porque responderam por 88% dos pedidos de falências e 92% das falências decretadas no trimestre. Nos pedidos de recuperação judicial e nas recuperações judiciais deferidas, as pequenas empresas representaram 93% do total de casos.

INDÚSTRIAS E SERVIÇOS

Entre os setores da economia, no primeiro trimestre a indústria teve o maior percentual de pedidos de falência (39%), seguida do setor de serviços (35%) e do comércio (26%). Em relação ao mesmo período do ano anterior, o setor industrial anotou queda de 15%, o comércio diminuiu em 15,6% e o setor de serviços caiu 21%.

A avaliação dos pesquisadores é que, passado o período de intensa retração da atividade econômica, redução do consumo, restrição e encarecimento do crédito, as empresas passam a esboçar sinais mais sólidos de recuperação.

*FOTO: Thinkstock



Desde o segundo trimestre de 2016, o indicador entrou em desaceleração, voltando a atingir níveis mais baixos na análise de longo prazo, de acordo com a Boa Vista SCPC

comentários

Em 12 meses, o indicador teve alta de 4,68%, acima da inflação média sentida pelas famílias com renda mensal entre 1 e 33 salários mínimos, apurada pelo Índice de Preços ao Consumidor, aponta a FGV

comentários

Em março, os custos de alimentação subiram 0,34%, contrastando com a redução de 0,69% verificada no mês anterior, de acordo com o IPC-Fipe

comentários