São Paulo, 26 de Fevereiro de 2017

/ Finanças

Os prós e contras de abrir capital
Imprimir

Confira os pontos postivos e negativos de ter o capital de sua empresa aberto na bolsa

Pontos positivos

1. Perpetua o negócio: uma das vantagens de abrir capital é a tentativa de perpetuar o negócio. Isso significa focar além de sobrevivência e crescimento, e pensar também na passagem da empresa para sucessores.

2. Cria valor para os acionistas: esse é outro aspecto positivo e representa a certeza de que o patrimônio do acionista será negociado com o melhor valor possível. Isso permite aos acionistas comprar um ativo ou até vender sua parte na empresa posteriormente.

3. Ter percepção mais ampla: abrir o capital está sujeito a flutuações de mercado. Por isso, é preciso desenvolver alinhamento de interesses, com uma mudança de percepção, de que o negócio é de outras pessoas também. A relação precisa ser a mais transparente possível, até porque o mercado exige, com distinção clara do que é patrimônio, o que é da família e o que está ao alcance da gestão do negócio.

4. Acessar capital de maneira qualificada: por vezes a empresa necessita de recursos e não consegue por meio de outras formas de financiamento, como o crédito bancário. É uma boa oportunidade de obter recursos para crescer e também diminuir alavancagem bancária, ou seja, comprometimento com outras modalidades de crédito oferecidas pelas instituições financeiras.

Pontos negativos

1. Organizar a gestão: a empresa precisa estar bem estruturada, com contabilidade organizada e auditoria independente. Se o negócio não estiver em ordem, os empresários terão de despender recursos para profissionalizar a gestão. Um dos pontos centrais é saber separar o que é remuneração pelo trabalho (pró-labore) e o que é remuneração pelo capital (distribuição de lucros e dividendos). No primeiro caso, seria equivalente a se o sócio estivesse trabalhando em outra empresa. Já o que sobra de recursos, após a apuração do lucro, é dividido entre os acionistas.

2. Compartilhar o controle: quem tem sócio precisa prestar contas. E, às vezes, dependendo da quantidade de ações colocadas no mercado, necessita de conselho de administração e participação de sócio minoritário. Nesse caso, o empresário precisa ter a capacidade de compartilhar controle, o que não é muito simples, uma vez que esbarra na questão cultural de ser o "dono" da empresa. Isso muda com a gestão profissionalizada.

3. Ter uma boa história: abrir capital não é simples como ir a um banco e levantar dinheiro. O IPO serve para empresas que têm empreendedores comprometidos e com negócios que prometem.

4. Arcar com custos: existem despesas que precisam ser levadas em conta, como custo de auditoria e de compliance, além de gastos com marketing e profissionais que farão reuniões com fundos de investimento para apresentar o negócio, por exemplo.
Fontes: Rodolfo Zabisky, coordenador do movimento Brasil+Competitivo, e IBGC (Instituto Brasileiro de Governança Corporativa).

Leia mais
Bolsa atrai a Geração Y
Bolsa atrai também as pequenas e médias empresas



Projetos de investimentos somaram R$ 4,733 bilhões no primeiro mês de 2017. Nos últimos 12 meses, recursos de fomento tiveram queda de 34%

comentários

As ações de empresas menores se destacaram no mês passado. Com altas e baixas bruscas, são consideradas de maior risco aos investidores

comentários

Em 2016, a incerteza econômica frustrou os planos de investimentos. 80% dos empresários reclamaram da instabilidade do mercado, de acordo com CNI

comentários