São Paulo, 30 de Setembro de 2016

/ Finanças

Número de empresas com contas em atraso cresce 7,53%
Imprimir

O setor do comércio concentra, sozinho, quase a metade do total de inadimplentes

O volume de empresas inadimplentes cresceu 7,53% em dezembro de 2014 na comparação com o mesmo mês de 2013. É o que revela levantamento do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

De acordo com o estudo, a dificuldade dos empresários em manter em dia os compromissos financeiros está diretamente relacionada ao cenário econômico de baixo crescimento e de inflação e juros em patamares elevados.

"A baixa confiança do consumidor, que também atua sobre a confiança dos empresários, influenciou ao longo de todo o ano de 2014 a deterioração da capacidade de pagamento das empresas", avalia a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

O setor de serviços foi o que apresentou maior crescimento no atraso no pagamento de contas: elevação de 10,96% na comparação entre dezembro de 2014 e o mesmo mês de 2013. A segunda maior alta ficou com as indústrias (7,13%), seguida por comércio (6,51%) e empresas da área da agricultura (2,09%). O Sudeste é a região que concentra a maior parte das pessoas jurídicas inadimplentes (43,80%), seguido pelo Nordeste (19,20%) e pelo Sul (17,15%).

O setor do comércio concentra, sozinho, quase a metade (49,50%) do total de empresas que devem a outras empresas jurídicas.

"Como muitas empresas do comércio desempenham funções não só frente ao consumidor final, mas também intermediam outras relações de negócio como atacadistas exercendo o papel de distribuidoras, o segmento ganha importante participação na economia e responde também pela maior parte da inadimplência", avalia a economista do SPC Brasil.



A Creme Mel, fabricante de sorvetes, fundada por Antônio Santos (foto), expandiu a venda de picolés após se tornar sócia do fundo americano H.I.G, líder global em private equity

comentários

Sete em cada dez entrevistados não pagaram parcelas de empréstimos em dia, seguidos por inadimplentes em cartão de loja

comentários

Geração de caixa tem sido suficiente para pagar apenas 58% das despesas financeiras

comentários