Finanças

Mania de brasileiro: após pré-datado, o negócio é parcelar no cartão


Dividir as compras em pelo menos duas vezes no crédito é uma prática que caiu no gosto de clientes e lojistas. Opção já responde por 50,7% das transações, segundo o Banco Central


  Por Estadão Conteúdo 22 de Agosto de 2017 às 10:55

  | Agência de notícias do Grupo Estado


Uma invenção brasileira criada na década de 1990 já é responsável por mais da metade das compras feitas no cartão de crédito. Criado para substituir os cheques pré-datados, o parcelamento no cartão caiu no gosto de clientes e lojistas brasileiros e a operação responde por mais da metade do valor faturado pela indústria de cartões de crédito no Brasil.

Pesquisa anual do Banco Central revela que, em 50,7% das compras feitas no último trimestre de 2016, clientes optaram por parcelar em pelo menos duas vezes no cartão. Do caixa de supermercado ao site da companhia aérea, a opção de dividir a compra supera os pagamentos feitos em uma única vez, ou 49,3% das transações.

LEIA MAIS:Quem paga os juros do parcelado "sem juros"?

O parcelamento no cartão é uma operação de crédito oferecida pelo lojista e que é apenas gerida pela instituição financeira. O varejista recebe da operadora conforme o calendário de parcelas dado ao consumidor.

"Essa operação é uma jabuticaba que nasceu para substituir outra jabuticaba. O parcelamento nasceu como opção ao cheque pré-datado", diz o diretor executivo da Associação Brasileira das Empresas de Cartão de Crédito (Abecs), Ricardo Vieira.

Na época, a economia brasileira tinha menor oferta de crédito e maior informalidade. Diante desse cenário, operações como cheque pré-datado e parcelamento no cartão nasceram como alternativa de financiamento menos complicado.

LEIA MAIS:Dívida de brasileiros com cartão de crédito dispara

O tempo passou, mas muitos desses problemas ainda dificultam o acesso ao crédito tradicional. Um exemplo está no número 636 da Rua Conselheiro Nébias, no centro de São Paulo.

Especializada na revenda de táxis usados, a Rosane Automóveis sempre viu dificuldade em fechar negócio porque alguns taxistas não conseguem comprovar renda para o crédito tradicional. Para contornar a situação, a loja permite até comprar um carro parcelado no cartão.

"Começamos a oferecer essa opção há uns três anos. O objetivo é tentar facilitar a compra para quem não consegue, seja por falta de dinheiro para a entrada ou acesso ao financiamento", diz o gerente da loja Wagner Santos.

Segundo Santos, a loja analisa caso a caso. "O custo da operação é nosso e o cliente precisa ter esse limite, mas é possível parcelar 100% do valor do carro no cartão."

Nas operações sem juros, o custo desse financiamento acaba sendo do lojista, que precisa administrar esse fluxo de caixa futuro, diz o diretor da Abecs. "Mas o risco de inadimplência da transação é totalmente do banco."

Segundo Santos, no cheque e no boleto, o calote médio na loja fica entre 20% e 30%. "No cartão, é zero. O problema é que nem sempre o cliente tem limite disponível." 

Imagem: Thinkstock