São Paulo, 26 de Setembro de 2016

/ Finanças

Juros do cheque especial é o maior em 20 anos
Imprimir

Levantamento foi publicado nesta sexta (24/4) pelo Banco Central. A taxa chegou a 220,4% ao ano

Os juros do cheque especial atingiram 220,4% ao ano em março, o maior nível desde dezembro de 1995. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira, 24, pelo Banco Central (BC). Essa modalidade é uma das mais caras, atrás apenas do rotativo do cartão de crédito. 

Em março, a alta dos juros do cheque especial foi de 6,2 ponto porcentual. No trimestre, a elevação foi de 19,4 ponto porcentual, e em 12 meses foi de 61 ponto porcentual.

Já o juro médio total cobrado no cartão de crédito subiu 0,5 ponto porcentual de fevereiro para março, segundo o BC. Em janeiro, a instituição passou a incorporar dados sobre esse segmento, que ela regula desde maio de 2013. Com a alta na margem, a taxa passou de 78,6% ao ano em fevereiro para 79,1% ao ano no mês passado.

O juro do rotativo é a mais alta entre todas as avaliadas pelo BC. Ele atingiu a marca de 345,8% ao ano em março, ante 342,7% de fevereiro, uma elevação de 3,1 pontos porcentuais na margem. 

No caso do parcelado, ainda dentro de cartão de crédito, o juro caiu 0,6 ponto de fevereiro para março, passando de 112,1% ao ano para 111,5% ao ano.

PATINANDO

O mercado de crédito deve crescer menos este ano na avaliação do economista-chefe da Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi), Nicola Tingas. Segundo ele, a expansão será de 10%, abaixo dos 11% estimados pelo BC. “Este será um ano parado, o mercado vai andar de lado”, afirma.

Por enquanto, no acumulado no primeiro trimestre do ano, o crédito, incluindo as operações com recursos livres e as direcionadas, cresceu 1,4% em comparação com igual período do ano passado. Em 12 meses até março avançou 11,2%. O estoque de operações de crédito do sistema financeiro cresceu 1,2% no mês de março em relação a fevereiro, atingindo R$ 3,060 trilhões, informou o BC nesta sexta-feira, dia 24.

O crédito voltado às empresas cresceu 1,6% em março. Para as pessoas físicas cresceu 0,8%, também em março. No primeiro trimestre, cresceu 1,0% para as empresas e 1,9% para pessoas físicas. Em 12 meses encerrados em março houve crescimento de 10,0% para empresas e de 12,6% para consumidores pessoa física.

SPREAD

O spread bancário médio no crédito livre caiu de 28,3 pontos porcentuais em fevereiro para 28,2 pontos porcentuais em março, mostrou o BC. O spread médio da pessoa física no crédito livre passou de 41,7 pontos porcentuais para 41,4 pontos porcentuais. Para pessoa jurídica, o spread médio avançou de 14,0 pontos porcentuais para 14,1 pontos porcentuais no período.


INADIMPLÊNCIA

O dado que considera crédito livre mais direcionado mostra inadimplência estável em 2,8% em março, no mesmo nível desde janeiro. A inadimplência no crédito pessoal consignado passou de 2,4% em fevereiro para 2,3% no mês passado. No cheque especial, recuou de 13,6% para 12,8% na comparação mensal. Na aquisição de veículos, ficou estável em 3,9% em março. No cartão de crédito, recuou de 7,0% para 6,7% na mesma comparação.



Menos de um quarto delas no Estado de São Paulo conseguiu levantar financiamentos em bancos no mês passado, segundo o Sindicato da Micro e Pequena Indústria

comentários

A demanda do consumidor por crédito também subiu 7,4% em no último mês e avançou 1,9% na comparação com o mesmo período do ano passado

comentários

Dados do Banco Central mostram que o volume de crédito encolheu em R$ 39 bilhões. Pequenas e médias empresas são as que mais sofrem

comentários