São Paulo, 09 de Dezembro de 2016

/ Finanças

Juros de crédito dispararam em abril
Imprimir

No caso do cheque especial, os juros subiram de 220,4% para 226,0%, o maior patamar dos últimos 20 anos. BC projeta expansão do mercado de crédito de 11% em 2015

O mercado de crédito esfriou em abril ao mesmo tempo em que as taxas de juros dispararam, atingindo recordes em várias modalidades. Pela primeira vez este ano, a inadimplência também aumentou.

O resumo é o de que o cenário tornou-se mais negativo para os financiamentos, mas essa piora não apenas era aguardada pelo Banco Central como foi, em parte, estimulada pela instituição. Além de ser reflexo da atividade fraca e do dólar, o aumento da taxa básica de juros Selic também gerou impactos sobre os empréstimos do País.

O estoque de financiamento ficou praticamente estável no mês passado ao apresentar crescimento de apenas 0,1% sobre março, para R$ 3,061 trilhões.

Essa soma representou 54,5% do Produto Interno Bruto (PIB) em abril ante 54,8% de março. "A moderação do crédito, que já era observada antes, ficou mais nítida em abril", enfatizou o chefe do Departamento Econômico do BC, Tulio Maciel.

A projeção atual da instituição é a de que o mercado de crédito apresente expansão de 11% em 2015. Uma atualização dessa estimativa será feita em julho e, além desse mercado mais enxuto dos últimos meses, Maciel deve levar em conta o impacto do aumento da alíquota de 15% para 20% da Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL) a ser paga pelos bancos a partir de setembro.

O técnico descartou que o "arrefecimento" do mês passado foi algo típico do mês. Ele avaliou que o movimento é "consistente com o ciclo de política monetária". Atualmente, a Selic está em 13,25% ao ano e a expectativa majoritária do mercado financeiro é a de que o BC promoverá uma nova elevação, para 13,75% ao ano, na semana que vem.

Acompanhando a alta da Selic, a maior parte das modalidades de empréstimo teve aumento em abril. A taxa média dos recursos livres, por exemplo, passou de 40,9% em março para 41,8% no mês passado, a maior desde março de 2011, quando tem início a compilação de dados do BC.

No caso do cheque especial, que é acompanhado há mais tempo, os juros subiram de 220,4% para 226,0% ao ano em abril. Trata-se do maior patamar dos praticamente últimos 20 anos, já que estava em 242,23% ao ano em dezembro de 1995.

Ter dívidas no rotativo do cartão de crédito, porém, ainda é o pior negócio para o consumidor. Afinal, a taxa média passou para 347,5% ao ano em abril, também recorde desde março de 2011. O rotativo é o valor que sobra e volta a ser financiado pelas operadoras depois que o usuário do cartão pagou a quantia mínima obrigatória de sua fatura.

Já o spread, que é a diferença entre as taxas que os bancos obtêm no mercado e as que cobram de seus clientes, teve um aumento importante no mês passado e atingiu o pico da série. Subiu de 28,2 pontos porcentuais para 29,3 pontos porcentuais. Isso em um momento em que a taxa de captação das instituições financeiras diminuiu. Maciel ressaltou, porém, que a tendência é de elevação, também em linha com o aumento da Selic. "Em suma, os spreads estão acompanhando as taxas de juros."

INADIMPLÊNCIA

Comportada até agora, a inadimplência aumentou pela primeira vez este ano. De janeiro a março, havia ficado estacionada em 4,4%. Em abril, passou para 4,6%. "É preciso aguardar para ver se isso tem alguma persistência", ponderou Maciel.

Como algumas carteiras de crédito estão atreladas ao câmbio, a variação do dólar no mês passado foi responsável também por essa diminuição de ritmo da oferta de crédito. Pelos cálculos do economista do BC, sem o impacto da moeda, o crescimento teria sido de 0,3% a 0,4%.

As linhas mais afetadas neste caso são as do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e de financiamento a exportações e importações.



Wagner Paludetto, consultor financeiro do Sebrae-SP, fala sobre a importância de projetar as receitas e despesas para o próximo ano

comentários

Apesar de 83% dos inadimplentes jovens carregarem smartphones, a maioria rejeita negociar por voz. Uso de whatsapp dobrou

comentários

Redução maior foi discutida na reunião do Copom, mas ainda depende da queda na resistência de alguns componentes do índice de preços, segundo Ilan Goldfajn, presidente do BC

comentários