Finanças

Intenção de financiamento dos paulistanos sobe em agosto


Para a FecomercioSP, responsável pela elaboração do índice, o aumento observado em agosto pode ter relação com a redução de tensão no ambiente político após o afastamento da denúncia contra o presidente Michel Temer


  Por Estadão Conteúdo 25 de Agosto de 2017 às 12:13

  | Agência de notícias do Grupo Estado


A intenção de financiamento do paulistano subiu 26% entre julho e agosto, de 14 para 17,6 pontos, de acordo com a pesquisa da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

O nível de julho, contudo, foi o mais baixo da série histórica do Índice de Intenção de Financiamento, conforme mostra a publicação. Em agosto de 2016, o registro ficou em 15,3 pontos.

Por outro lado, o Índice de Segurança de Crédito registrou retração na margem, de 2,9% (de 83,7 para 81,4 pontos), e também no confronto interanual, de 3,5% (84,3 pontos).

O recuo na comparação mensal foi influenciado pelas expectativas dos consumidores endividados, grupo onde a pontuação relativa à segurança do crédito caiu 4,9%.

Entre os não endividados, mais otimistas, houve aumento de 0,6%. Em relação a agosto de 2016, os dois grupos tiveram redução no quesito segurança do crédito, de 1,6% e 3%, respectivamente.

A FecomercioSP analisa que o aumento da intenção de financiamento observado em agosto pode ter relação com a redução de tensão no ambiente político após o afastamento da denúncia contra o presidente Michel Temer.

"A FecomercioSP considera que, com o encerramento desse mais novo episódio, é capaz de o clima de recuperação se consolidar, inclusive com efeitos positivos sobre emprego e sobre o mercado de crédito", aponta o relatório da pesquisa.

APLICAÇÕES 

A poupança segue como a principal aplicação do paulistano, segundo a pesquisa da FecomercioSP, alcançando 61,8% dos entrevistados em agosto, alta de 3 pontos porcentuais ante julho, mas bem abaixo do patamar de 80% alcançado em período pré-crise.

Em agosto de 2016, a poupança era a aplicação preferida de 64,3% dos paulistanos.

O porcentual que investe em renda fixa ficou em 19,9% em agosto, o que representou uma queda de 1,2 ponto porcentual em relação a julho, mas um crescimento de 2,2 pontos frente a igual mês de 2016.

Ainda de acordo com a pesquisa, a Previdência Privada ganhou posições diante das incertezas sobre as novas regras da aposentadoria, analisa a FecomercioSP.

"Se a economia se estabilizar com a retomada definitiva do crescimento de longo prazo, as aplicações em ações devem também ocupar um espaço levemente maior do que o atual", completa a Federação.

FOTO: Thinkstock