São Paulo, 29 de Setembro de 2016

/ Finanças

Inflação do aluguel sinaliza aceleração em março
Imprimir

Fundação Getúlio Vargas diz que as prévias do IGP-M deste mês mostram que os aumentos no preço da energia estão chegando ao índice

Os resultados das coletas prévias do IGP-M (Índice Geral de Preços - Mercado) de março - que têm o objetivo de acompanhar a evolução dos preços - indicam que a inflação do aluguel deve encerrar este mês em aceleração, segundo Salomão Quadros, superintendente-adjunto de Inflação da FGV (Fundação Getúlio Vargas). 

O especialista não fez estimativas sobre até quanto este índice - bastante adotado em reajuste de aluguéis - pode subir.

No entanto, Quadros assegurou que o varejo deve ser a grande fonte de pressão nos dez dias restantes de apuração de preços deste mês. Além disso, os aumentos nas tarifas de energia estão chegando ao índice. O resultado fechado do IGP-M será conhecido no próximo dia 30.

Nesta quinta (19), a instituição anunciou que o IGP-M subiu 0,84% na segunda prévia de março. O indicador captou preços entre os dias 21 de fevereiro e 10 de março.

Na primeira prévia do mês, o índice havia ficado em 0,74%. "As prévias estão sinalizando aceleração, principalmente do IPC (Índice de Preços ao Consumidor)", diz Quadros.

A inflação varejista vem recebendo aos poucos o impacto dos aumentos na energia elétrica. Em 27 de fevereiro, a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) autorizou um reajuste extraordinário médio de 23,4% a todas as distribuidoras. 

Além disso, elevou o valor adicional cobrado segundo o regime de bandeiras tarifárias na conta dos consumidores. Na segunda prévia de março, a tarifa de eletricidade residencial ficou 12,89% mais cara, e a perspectiva é a taxa ficar ainda mais elevada.

"O efeito da energia elétrica é muito maior do que o das desacelerações em mensalidades escolares e tarifas de ônibus. Ele domina com folga", afirma Quadros.

MAIOR TAMBÉM NO ATACADO

No atacado, porém, também há pressões de alta que devem persistir até o fechamento deste mês, como é o caso da soja, que subiu 5,74% na segunda prévia. 

O grão detém o maior peso individual no atacado. "Mas o aumento da soja não vai longe", afirma o superintendente, que prevê estabilidade nos preços da commodity após boas notícias vindas do campo.

Já o minério de ferro interrompeu uma sequência de meses em queda e avançou 0,54%. "O minério não está caindo tanto quanto no ano passado. Além disso, o câmbio é um formador de preço com maior atuação sobre o minério, e a desvalorização do real supera o efeito da queda de preço", diz.

Outra sinalização de que o aumento do dólar pode já estar refletido na inflação atacadista é o grupo materiais para a manufatura. 
Considerado um termômetro do câmbio, a categoria saiu de queda de 1,43% no mês passado para um recuo bem menos intenso, de 0,13%. "Ainda há redução nas cotações (de preços), mas há suavização disso devido ao câmbio", afirma Quadros.

A atividade em baixa e a desaceleração do consumo das famílias provocou uma queda nos preços de bens de consumo duráveis na indústria este mês, com destaque para os automóveis para passageiros, com queda de 0,86%. 

"Não é comum, mas é explicável. As montadoras estão abarrotadas de carros e precisam vender. Por isso, acabam dando descontos", diz.



Índices de preços registraram inflação acima das expectativas no último trimestre, em intensidade inferior ao padrão sazonal, enfatiza relatório do Banco Central

comentários

Índice medido pela FGV é o maior desde janeiro de 2015, sustentado pelas expectativas em relação aos próximos meses

comentários

A expectativa para os próximos 12 meses repetiu o mesmo resultado de agosto, de acordo com sondagem da FGV

comentários