São Paulo, 01 de Outubro de 2016

/ Finanças

Gastos de brasileiro com celular superam moda e entretenimento
Imprimir

Nas classes A e B a média de despesas com telefonia móvel sobe para R$ 115 e cai para R$ 98 nas classes C, D e E

O brasileiro gasta, em média, R$ 104 por mês com conta de celular e de internet. O valor supera gastos mensais com acessórios de moda (R$ 71), shows, teatro e cinema (R$ 96) e produtos de beleza (R$ 82). As constatações são de pesquisa encomendada pelo portal de educação financeira "Meu Bolso Feliz" e SPC Brasil. O estudo captou o comportamento de compra das famílias brasileiras e mapeou quais produtos ou serviços são considerados necessários, supérfluos ou sonhos de consumo.

O levantamento aponta que 87% das pessoas que usam celular e acessam a internet consideram estes serviços necessários no dia a dia. Nas classes A e B a média de gasto nesse segmento sobe para R$ 115 e cai para R$ 98 nas classes C, D e E. Foram ouvidas 620 pessoas maiores de 18 anos em todas as 27 capitais brasileiras.

Entre os itens considerados como necessários para a família brasileira, os maiores gastos de 2014 foram concentrados na compra de roupas, citada por metade dos consumidores, na conta de celular e de internet (30%) e na compra de calçados (30%). As maiores despesas classificadas como supérfluas foram concentradas em acessórios de moda (20%), ida a restaurantes chiques (17%) e a restaurantes frequentados com amigos e familiares no dia a dia (17%). Quanto aos sonhos de consumo, os mais citados foram viagens turísticas nacionais (30%), viagens de fim de semana (19%) e eletroeletrônicos (15%).

A pesquisa mostrou diferenças dos gastos de acordo com o perfil socioeconômico. Os entrevistados das classes A e B costumam gastar mais com lazer e produtos mais caros, como viagens nacionais (42%, contra 17% na classe C, D e E) e carros (29%, contra 10% nas classes C, D e E).

Enquanto 57% dos consumidores das classes A e B que consomem o item carro julgam este bem como um gasto necessário, 39% dos pertencentes às classes C, D e E afirmam que o carro se trata de um sonho de consumo. Além disso, são considerados um sonho de consumo para os consumidores das classes C, D e E as viagens turísticas nacionais, citadas por 44% da amostra, e a compra de eletroeletrônicos, citada por 22% do público consultado. Os entrevistados das classes C, D e E concentraram seus gastos em itens de menor valor como calçados (42%, contra 17% nas classes A e B) e brinquedos (17%, contra 4% nas classes A e B).

A pesquisa também revelou que o brasileiro já se sente bastante confortável para fazer compras pela internet. Para os que compram eletroeletrônicos, parcela 44% do volume total já é comprada pela web e 34%, em lojas de shopping. Na categoria vestuário, entretanto, a preferência ainda é pelas lojas físicas: 38% preferem as lojas de shopping; 38%, as lojas de rua; e somente 13% preferem comprar roupas pela internet.

 



A maioria dos provedores de acesso à internet no Brasil não informa claramente de que maneira coleta, utiliza e armazena os dados pessoais, diz estudo da Internet Lab

comentários

O número teve crescimento de 155,6% de 2013 para 2014, de acordo com IBGE. Uso do computador para esse fim teve queda de 11,8% na comparação com 2013

comentários

Mas saiba também o que não pode ser abatido na declaração, que leva muitos contribuintes para a malha fina

comentários