São Paulo, 10 de Dezembro de 2016

/ Finanças

Gastos de brasileiro com celular superam moda e entretenimento
Imprimir

Nas classes A e B a média de despesas com telefonia móvel sobe para R$ 115 e cai para R$ 98 nas classes C, D e E

O brasileiro gasta, em média, R$ 104 por mês com conta de celular e de internet. O valor supera gastos mensais com acessórios de moda (R$ 71), shows, teatro e cinema (R$ 96) e produtos de beleza (R$ 82). As constatações são de pesquisa encomendada pelo portal de educação financeira "Meu Bolso Feliz" e SPC Brasil. O estudo captou o comportamento de compra das famílias brasileiras e mapeou quais produtos ou serviços são considerados necessários, supérfluos ou sonhos de consumo.

O levantamento aponta que 87% das pessoas que usam celular e acessam a internet consideram estes serviços necessários no dia a dia. Nas classes A e B a média de gasto nesse segmento sobe para R$ 115 e cai para R$ 98 nas classes C, D e E. Foram ouvidas 620 pessoas maiores de 18 anos em todas as 27 capitais brasileiras.

Entre os itens considerados como necessários para a família brasileira, os maiores gastos de 2014 foram concentrados na compra de roupas, citada por metade dos consumidores, na conta de celular e de internet (30%) e na compra de calçados (30%). As maiores despesas classificadas como supérfluas foram concentradas em acessórios de moda (20%), ida a restaurantes chiques (17%) e a restaurantes frequentados com amigos e familiares no dia a dia (17%). Quanto aos sonhos de consumo, os mais citados foram viagens turísticas nacionais (30%), viagens de fim de semana (19%) e eletroeletrônicos (15%).

A pesquisa mostrou diferenças dos gastos de acordo com o perfil socioeconômico. Os entrevistados das classes A e B costumam gastar mais com lazer e produtos mais caros, como viagens nacionais (42%, contra 17% na classe C, D e E) e carros (29%, contra 10% nas classes C, D e E).

Enquanto 57% dos consumidores das classes A e B que consomem o item carro julgam este bem como um gasto necessário, 39% dos pertencentes às classes C, D e E afirmam que o carro se trata de um sonho de consumo. Além disso, são considerados um sonho de consumo para os consumidores das classes C, D e E as viagens turísticas nacionais, citadas por 44% da amostra, e a compra de eletroeletrônicos, citada por 22% do público consultado. Os entrevistados das classes C, D e E concentraram seus gastos em itens de menor valor como calçados (42%, contra 17% nas classes A e B) e brinquedos (17%, contra 4% nas classes A e B).

A pesquisa também revelou que o brasileiro já se sente bastante confortável para fazer compras pela internet. Para os que compram eletroeletrônicos, parcela 44% do volume total já é comprada pela web e 34%, em lojas de shopping. Na categoria vestuário, entretanto, a preferência ainda é pelas lojas físicas: 38% preferem as lojas de shopping; 38%, as lojas de rua; e somente 13% preferem comprar roupas pela internet.

 



Isso graças aos novos supercondensadores desenvolvidos por especialistas de nanotecnologia, na Universidade da Flórida Central

comentários

Depois da fase de negação do sucesso dos aplicativos, elas investem em serviços digitais para continuarem relevantes

comentários

Os ministros do Supremo mudaram uma decisão da Justiça do Rio de Janeiro que separava a atividade de comunicação, que é tributada pelo imposto, daquelas cobertas pela assinatura

comentários