São Paulo, 29 de Julho de 2017

/ Finanças

Endividamento e inadimplência afligem pequenas e micros
Imprimir

Dois levantamentos evidenciam que dificuldades de caixa, aumento dos juros e carga tributária complicam a capacidade do segmento de pagar em dia e cumprir compromissos financeiros

Ainda sob o clima de incerteza do resultado eleitoral, os indicadores de outubro sobre endividamento e inadimplência deram mais uma prova do quadro de estagnação da economia. O endividamento com banco ou instituições financeiras atingiu 17%, o índice mais alto desde que teve início, em março de 2013, a pesquisa realizada pelo Sindicato da Micro e Pequena Indústria do Estado de São Paulo (Simpi-SP).

Leia mais: Pequenas e médias empresas representam metade do pelotão de inadimplentes

Dois indicadores acompanhados mensalmente pela Serasa Experian também evidenciam a piora no desempenho das empresas. A pontualidade de pagamentos das pequenas e microempresas em outubro, de 96%, representa um recuo em relação a setembro, que registrou 96,3%. Para cada 1.000 pagamentos realizados, 960 foram quitados à vista ou com atraso máximo de sete dias. As pequenas e microempresas do setor de comércio registraram a maior pontualidade de pagamento em outubro: 96,5%. Os níveis de pontualidade no mês foram puxados para baixo pelo setor de serviços (95,3%) e pela indústria (95,5%).

Em relação às empresas em geral, a inadimplência subiu 4,4% em outubro ante setembro, a mesma variação apresentada em outubro de 2013, de acordo com pesquisa Serasa.  No acumulado dos dez primeiros meses deste ano, o indicador teve alta significativa de 7,1%.

CUSTO DO CRÉDITO

Por trás da dificuldade de cumprir os compromissos financeiros, de acordo com o Simpi, um dos fatores é o peso da carga tributária, um obstáculo às desenvolvimento das micros e pequenas indústrias de São Paulo. Essa queixa partiu de 58% dos entrevistados, o mais alto índice desde outubro/ 2013, quando a pergunta foi incluída no levantamento.

Para os economistas da Serasa Experian, a alta da inadimplência das empresas resulta da combinação perversa da estagnação econômica com o custo do crédito em ascensão. O atual quadro de estagnação da economia prejudica a geração de caixa das empresas; a situação foi agravada pela elevação de custo de crédito, causada pelo aumento das taxas de juros, e teve repercussão sobre as despesas financeiras. E, em especial para as micro e pequenas empresas, contribuiu a situação dos salários, que avançaram acima dos ganhos de produtividade.

No consolidado de janeiro a outubro de 2014, o valor médio dos títulos protestados teve alta de 11,9% no acumulado de, na comparação com o mesmo período do ano anterior. O valor médio das dívidas não bancárias também cresceu, +6,7%. Já os valores dos cheques sem fundos e inadimplência com os bancos registraram queda de 5,1% e 5,8%, respectivamente. O indicador de inadimplência da Serasa considera as variações registradas no número de cheques sem fundos, títulos protestados e dívidas vencidas com instituições bancárias e não bancárias, em todo o Brasil.

 



O porcentual de devoluções foi de 2,13%. É o menor patamar de inadimplência com cheques dos últimos dois anos

comentários

Nos quatro primeiros meses do ano, houve mais de 780 mil tentativas de fraudes no país. Empresas mais afetadas são operadoras de telefonia, bancos e comércios

comentários

Retração é consequência do fraco desempenho da economia. Com vendas e produção estagnadas, há menor necessidade de capital de giro para a produção

comentários