Finanças

Emissão de ações no mercado de capitais cresce 30%


Valor atingiu R$ 104,4 bilhões no primeiro semestre deste ano, de acordo com a Anbima


  Por Estadão Conteúdo 10 de Julho de 2017 às 14:29

  | Agência de notícias do Grupo Estado


As emissões de ações das companhias brasileiras no primeiro semestre do ano atingiram R$ 104,4 bilhões, o que representou um aumento de 30% em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com dados divulgados pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima).

Desse total, ainda de acordo com a entidade, R$ 51,309 bilhões referem-se à emissão de dívida no mercado externo, R$ 39,936 bilhões, à renda fixa no mercado doméstico e, R$ 13,133 bilhões, à renda variável.

A Anbima aponta que o mercado de capitais avançou como fonte de recursos para o financiamento das companhias.

De janeiro a maio deste ano, o volume de emissões no mercado de capitais doméstico e externo somou R$ 87,9 bilhões, sendo que, nesse mesmo intervalo, o desembolso do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) foi de R$ 27,7 bilhões.

Nas emissões de debêntures, a entidade mostra que aquelas com prazo de até três anos apresentaram queda, com um aumento das emissões com prazo superior a 10 anos. De acordo com a Anbima, a maioria dessas captações foi destinada para o alongamento de dívidas.

Destaque ainda no primeiro semestre do ano foi a melhoria das emissões de ações, depois de anos de monotonia.

O volume das ações no primeiro semestre foi de R$ 13,133 bilhões, já superando todo o montante de 2016.

Para o mês de julho, preparam ofertas iniciais de ações (IPO, na sigla em inglês) as companhias Carrefour Brasil, IRB Brasil Re, Biotoscana e Ômega Geração, em ofertas que juntas podem movimentar cerca de R$ 10 bilhões.

A Anbima informa que, nessas ofertas de ações, os investidores estrangeiros aumentaram suas participações e se mantêm como os principais interessadas.

No intervalo de janeiro a junho deste ano os investidores estrangeiros responderam por 58,6% do volume, sendo que no ano anterior foi de 35,7%.

LEIA MAIS: Fundos registram captação recorde no 1º semestre  

Imagem: Thinkstock