São Paulo, 26 de Setembro de 2016

/ Finanças

Em dois meses de 2015, títulos protestados crescem 14,9%
Imprimir

O maior volume de calotes se deu entre as empresas, na comparação com igual bimestre do ano passado, segundo apurou a Boa Vista SCPC

O volume de títulos protestados nos primeiros dois meses do ano cresceu 14,9% em relação ao mesmo período de 2014, segundo a Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito).

Tanto os protestos de títulos de pessoas jurídicas quanto os de pessoas físicas cresceram. Entretanto, foram as empresas as responsáveis pelo maior crescimento (+24,5%) no número de calotes. No caso das pessoas físicas, o aumento foi de 9,5%.

Na comparação de fevereiro de 2015 com o mesmo mês de 2014, os títulos protestados das empresas aumentaram 8,5% e 25,3% os de consumidores, totalizando uma alta de 14,8%.

O valor médio dos títulos protestados para o mês de fevereiro de 2015 foi de R$ 3.658. Para as pessoas físicas o valor correspondeu a R$ 1.800 e R$ 4.934 para as pessoas jurídicas.

Em fevereiro de 2015, os títulos protestados de empresas representaram aproximadamente 60% do total dos protestos no país. A região Sudeste contribuiu com a maior parcela dos títulos protestados (53,8%), seguida das regiões Sul (22,1%), Nordeste (10,7%), Centro-oeste (8,5%) e Norte (5,0%).

O Sudeste também foi a região que registrou o maior valor médio (R$ 6.242) dos títulos protestados em fevereiro. A média nacional para pessoa jurídica foi de R$ 4.934.

O indicador de títulos protestados mostra a evolução da quantidade de registros de débitos decorrentes de protestos de títulos, informados por cartórios de protestos no referido mês.



De cada 100 inadimplentes, 47 pretendem buscar um acordo com credores para limpar o nome ante 37 no ano passado, revela pesquisa

comentários

Para encher as salas de aula, bancos e universidades ampliaram programas de financiamento

comentários

O intuito dessa ação é chamar a atenção para produtos mais rentáveis do que a tradicional caderneta de poupança

comentários