São Paulo, 27 de Junho de 2017

/ Finanças

Bolsa espera abertura de capital de pequena e média empresa
Imprimir

Quem afirma isso é Edemir Pinto, diretor-presidente da BM&FBovespa, com base nas medidas que incentivam o acesso de companhias do porte ao mercado de capitais

Edemir Pinto, diretor-presidente da BM&FBovespa, disse que prevalece a expectativa de que uma pequena e média empresa (PME) abra capital na bolsa brasileira ao longo do segundo semestre do ano, na esteira das medidas anunciadas pelo governo para incentivar o acesso dessas companhias no mercado de capitais.

No entanto, Edemir lembrou que, para isso, é necessária uma reversão das expectativas do investidor local, que hoje ainda está muito pessimista diante do noticiário.

O presidente da Bolsa disse que, ao contrário do observado em grandes ofertas, em que o investidor estrangeiro obtém, na média, 70% da oferta, as pequenas operações deverão ser garantidas pelo investidor local.

LEIA MAIS: Bolsa atrai também as pequenas e médias empresas //Você está preparado para abrir o capital de sua empresa?

Edemir disse que, apesar desse pessimismo, existe a percepção de que esses investidores devem ganhar mais confiança ao longo dos próximos meses, seguindo o caminho já trilhado pelos estrangeiros, que já demonstram mais confiança e vêm injetando forte fluxo de capital na bolsa brasileira neste início de ano.

LEIA MAIS: Os prós e contras de abrir o capital

O executivo citou, ainda, que a bolsa tem feito um trabalho de aproximação junto com essas companhias e que o interesse tem sido grande. "O potencial para IPOs de PMEs é extraordinário", disse. O último IPO realizado na bolsa brasileira foi da companhia Ourofino, em outubro do ano passado, que representou a única abertura de capital no país em 2014.

 



Transações por smartphone dobraram no ano passado e atingiram o patamar de 21,9 bilhões de operações, crescimento de 96% em relação a 2015

comentários

De acordo com pesquisa do Sebrae, de cada 10 empresas que estão nesse sistema de tributação, oito se mantêm ativas após o segundo ano

comentários

Mercado trabalha com a expectativa de que a diferença de incidência de juros na dívida chegue a 11,6% em 90 dias e a 49,1% em um ano

comentários