São Paulo, 27 de Julho de 2017

/ Finanças

Bolsa atrai também as pequenas e médias empresas
Imprimir

Estímulos facilitam acesso de pequenos negócios ao mercado de capitais. Listagem de ações contribui para o crescimento das empresas

Na cidade de Fraiburgo, em Santa Catarina, onde a produção de maçãs move a economia da região, foi fundada, há mais de 50 anos, a Renar Maçãs. Juntos, os irmãos Renê e Arnoldo Frey, de família de origem alemã, formaram o nome da empresa (união de “Ren” com Ar”), atualmente a terceira maior produtora nacional da fruta. Entretanto, para chegar a esse estágio, a companhia passou por uma série de desafios, entre eles, a abertura de capital, em 2005. Na época, a Renar registrou uma das menores ofertas iniciais de ações (IPO, na sigla em inglês), abrindo as portas para outras pequenas e médias empresas que buscariam recursos via mercado de capitais. 

“Até 2002 e 2003, o setor de maçãs teve bastante investimento em estruturas de câmara fria e pomares. Naquele período, a Renar já havia sido procurada por algumas corretoras. Em 2005, essas mesmas corretoras procuram a empresa com o objetivo de abrir capital", conta Henrique Holoff, diretor financeiro e de relações com investidores da companhia. Por meio da listagem de ações na Bolsa, foram captados R$ 16 milhões, oferta considerada bem-sucedida pela empresa e pelo mercado.


Henrique Hollof, diretor financeiro da Renar, produtora de maçãs

A Renar figura entre as 10 empresas na Bolsa classificadas como pequenas ou médias companhias – com receita bruta no exercício anterior ao IPO de até R$ 500 milhões e valor de mercado inferior a R$ 700 milhões. Esse número de companhias representa, portanto, menos de 10% dos 150 IPOs registrados nos últimos anos 10 anos pela BM&FBovespa. Um dos maiores desafios para a pequena empresa se tornar uma companhia de capital aberto é todo o processo regulatório que envolve a listagem de ações e a implantação de princípios de governança corporativa, como transparência, equidade, responsabilidade social e prestação de contas. "As empresas precisam conhecer a base regulamentar e saber que você não estará mais tomando ações sozinho. O que acontece é uma mudança de mentalidade", explica Holoff. 

De uma gestão familiar, a empresa teve de se adequar a uma nova realidade. "Houve uma quebra de paradigmas. A partir daquele momento, era preciso prestar contas. Teve um momento regulatório e teve um aspecto cultural, da própria empresa em se adaptar", aponta. Ele ressalta a importância de levar em conta os custos envolvidos nessa adaptação, mas considera os elementos regulamentares como itens fundamentais na hora da abertura de capital. 

"Houve uma procura de 3,7 vezes o número de ações" 

- Henrique Holoff 


Renê e Arnoldo Frey, os irmãos fundadores da Renar

Na prática, as empresas precisam se preparar para a criação, por exemplo, de um conselho de administração, a implantação de auditoria independente e comitês, como uma equipe fiscal. "Existem todas as exigências de governança corporativa que devem ser levadas em conta", afirma o diretor financeiro da Renar Maçãs. O processo também envolve uma mudança de cultura no ambiente interno. "Vem do presidente, do acionista controlador, da primeira cadeia [de colaboradores] e vai até os funcionários do back office", explica.

Leia mais: As vantagens e desvantagens de entrar na bolsa

ACESSO FACILITADO

Ainda concentrado por grandes empresas, o mercado de capitais passou a se focar, principalmente neste ano, em fomentar o investimento em PMEs. Com a publicação da Medida Provisória 651, em 9 de julho, entrou em vigor uma série de ações de estímulo à entrada dessas companhias na Bolsa. Uma das principais medidas tomadas é a isenção, até 2023, para os investidores pessoa física que obtiverem lucro ao negociar ações das empresas menores. Os fundos de investimento que contarem com pelo menos 67% desses papéis no patrimônio também estão isentos de Imposto de Renda [veja, no boxe, todas as condições para o incentivo fiscal].

Desde 2012, a BM&FBovespa comanda um grupo de trabalho composto da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e pela Agência Brasileira de Inovação (Finep). Os órgãos e as entidades se uniram para discutir alternativas com foco em fomentar o crescimento das pequenas e médias empresas via mercado de capitais, de acordo com informações da Bolsa. Para realizar o trabalho, o grupo visitou sete países – Inglaterra, Polônia, Espanha, Canadá, Austrália, Coreia do Sul e China – para entender quais características desses mercados poderiam ser aplicáveis ao Brasil. A partir disso, foi criado um Comitê Técnico de Ofertas Menores, que elaborou um diagnóstico com 12 propostas para tornar o mercado mais acessível às PMEs.

Outra medida que busca facilitar a entrada das empresas menores no mercado de capitais é a dispensa de publicação de Fatos Relevantes e avisos sobre oferta pública de ações. A MP 651 também eliminou a obrigatoriedade de as companhias terem de publicar suas demonstrações financeiras anuais nos veículos impressos, como os jornais. Atualmente, as empresas podem divulgar seus resultados em portais dos veículos de comunicação e nos sites da CVM e da BM&FBovespa, o que reduz esse custo da publicação impressa. 

De acordo com Ana Cláudia Utumi, sócia responsável pela área tributária do escritório de advocacia Tozzini Freire, os estímulos às pequenas e médias empresas chegaram em um bom momento. Para ela, a tentativa de reanimar o mercado de capitais é positiva, tanto para as companhias quanto para os investidores. "O que eu tenho visto é que as empresas deixam tudo pronto para esperar uma janela de oportunidade, ou seja, o momento em que o mercado esteja disposto a uma nova emissão de ações. A partir do instante em que há estímulos, mais empresas buscam, porque [abrir capital] melhora a qualidade do funding", explica. 

A redução do endividamento bancário foi uma das principais consequências positivas para a Renar, após a oferta de ações. A dívida líquida da empresa apresentou diminuição de R$ 24,9 milhões (32,9% do endividamento bancário total), atingindo R$ 50,8 milhões, segundo os resultados do primeiro semestre de 2014. O perfil da dívida melhorou, de acordo com a empresa. No caso da Renar, a captação via mercado de capitais teve como objetivo aumentar a chamada "originação de frutas", ou seja, comprar mais de pequenos produtores que, por sua vez, não têm capacidade de armazenamento. "Eles [os produtores] precisam vender naquele momento e nós compramos para revender na melhor época de preço", explica Holoff. 

Leia mais

Bolsa atrai a Geração Y



Na comparação com o mesmo mês de 2016, o comércio registrou alta de 2,4%, de acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PME), do IBGE

comentários

Guilherme Afif Domingos (foto), presidente do Sebrae, avalia que os ajustes na economia ocorrerão de baixo para cima

comentários

Os empreendimentos de micro e pequeno porte garantiram 92% das vagas geradas em abril

comentários