São Paulo, 26 de Junho de 2017

/ Finanças

Bancos acompanham Copom e reduzem juros de linhas de crédito
Imprimir

Bradesco, Banco do Brasil e Itaú informam que as principais linhas de financiamento para empresas também acompanharam o recuo dos juros básicos

O Bradesco acompanhou a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), que reduziu a Selic em 1 ponto porcentual, e anunciou corte nas taxas de juros de suas principais linhas de crédito

As novas taxas começam a valer a partir de 17 de abril, em toda a rede de agências do banco.

No caso dos clientes pessoa física, o cheque especial teve sua taxa mínima reduzida de 9,65% para 9,57% ao mês, e a máxima caiu de 13,49% para 13,41% ao mês. 

Já no crédito pessoal, a taxa mínima passou de 1,83% para 1,75% ao mês, e a máxima de 7,66% para 7,58% ao mês. De acordo com nota do Bradesco, as principais linhas de financiamento para pessoa jurídica também acompanharam a mudança da Selic.

O banco lembra ainda que na modalidade de cartão de crédito reduziu os juros do rotativo desde 3 de abril. 

Com isso, a taxa passou a ser de 3,10% ao mês na mínima e 9,39% ao mês na máxima, equivalente a um corte de 65% na taxa anual. Já o juro do parcelamento da fatura está entre 3,10% e 9,29% a.m., correspondendo a uma redução de 11% na taxa anual.

BANCO DO BRASIL

O Banco do Brasil anunciou nesta quarta-feira (12/04) a terceira redução consecutiva no ano em taxas de juros para pessoas física e jurídica, como reflexo da redução da taxa básica de juros pelo Comitê de Política Monetária.

O Copom reduziu o juro básico da economia em 1 ponto porcentual, para 11,25% ao ano.

Em nota, o Banco do Brasil destaca que a queda mais expressiva foi para as linhas de crédito imobiliário pessoa física nas contratações do Sistema Financeiro da Habitação (SFH) e da carteira hipotecária.

A nova taxa para as operações no âmbito do SFH passa a ser de 9,99% ao ano na faixa mínima, redução de 0,81 ponto porcentual na comparação com os 10,80% praticados hoje.

Para a faixa superior, a nova taxa passa a ser de 10,94% ao ano, ante os 11% ao ano que banco cobrava até aqui. Nos financiamentos da carteira hipotecária, a taxa cai de 11,80% ao ano para 10,90% ao mês no piso; e de 12,02% para 11,99% ao ano no patamar superior.

Na pessoa física, os juros ficam mais em conta no crédito para aquisição de veículos, com redução de 1,28% ao mês para 1,23% ao mês, na faixa mínima, e de 3,86% ao mês para 3,81% ao mês no patamar máximo.

O BB também reduziu os juros para o cheque especial da pessoa física: as taxas agora flutuam entre 4,31% ao mês no piso, e 12,84% ao mês no teto, ante 4,36% e 12,89% ao mês, cobrados até agora.

As taxas para pessoas jurídicas também tiveram redução, com recuo mais significativo para as linhas do cheque ouro empresarial e giro rápido rotativo, agora em 8,38% ao mês, ante os 8,43% cobrados até então.

O BB também passa a oferecer juros menores nas linhas para aquisição de veículos por pessoas jurídicas (redução de 1,47% para 1,42% ao mês no piso e de 3,24% para 3,19% ao mês na máxima) e na antecipação de crédito lojista (ACL), com redução de 1,58% ao mês para 1,53% ao mês e de 3,94% para 3,89 ao mês no maior patamar.

ITAÚ

O Itaú Unibanco anunciou o repasse integral do corte de 1 ponto porcentual na taxa Selic nos juros de suas linhas de crédito para pessoas física e jurídica.

A aceleração da redução da taxa básica de juros da economia, na visão do presidente do banco, Roberto Setubal, indica o comprometimento do Banco Central com uma política monetária expansionista para fortalecer a economia brasileira.

"Todos nós queremos um cenário de crescimento sustentável na economia e um ambiente favorável para a atividade econômica, a geração de empregos e melhores condições para a sociedade em geral. A aceleração do corte da Selic promovida pelo Banco Central é um importante passo nesse sentido", destacou o executivo, em nota à imprensa.

Setubal afirmou ainda que o Itaú Unibanco está preparado para dinamizar a oferta de crédito conforme uma trajetória "consistente" de queda na percepção de riscos e da taxa de juros.

As novas taxas passam a valer a partir do dia 18 de abril e vão impactar, de acordo com o banco, todos os clientes que usam o empréstimo pessoal e cheque especial. No caso das micro e pequenas empresas, haverá redução nas taxas do cheque especial e capital de giro.

Os clientes que têm cheque especial, cerca de 1,2 milhão de pessoas com histórico de pontualidade e bom relacionamento com o banco terão, ainda, uma redução de 3 pontos porcentuais na taxa.

O banco lembra que anunciou recentemente corte médio de 4 pontos porcentuais em suas taxas do rotativo do cartão de crédito.

Desde o início de abril, as taxas variam de 1,99% a 9,90% ao mês. Os juros do parcelamento foram reduzidos em torno de 2 pontos porcentuais, ficando entre 0,99% e 8,90% ao mês. Na semana passada, o Itaú também diminuiu sua taxa de crédito consignado, passando a operar com valores a partir de 2,14%.

FOTO: Thinkstock

Atualizado às 19h25



Na terceira queda seguida, a previsão para o IPCA neste ano passou de 3,71% para 3,64%, de acordo com o boletim Focus, do Banco Central

comentários

Economistas do mercado financeiro decidiram manter em 8,5% suas projeções para a Selic (a taxa básica de juros) no fim de 2017 e de 2018

comentários

Prazo curto para pagar credores é apontado por especialistas como entrave para aplicação de capítulo especial da legislação que deveria ser usado por empresas de pequeno porte

comentários