São Paulo, 11 de Dezembro de 2016

/ Finanças

Aumenta o número de cheques sem fundo em janeiro
Imprimir

O maior volume de compromissos financeiros, típicos do início do ano, afeta a capacidade do consumidor acertar suas contas

O número de cheques devolvidos pela segunda vez por falta de fundos representou, em janeiro, 2,02% do total de cheques movimentados no país. Essa proporção é um pouco menor do que a observada em janeiro do ano passado (2,07%), mas cresceu na comparação com dezembro (1,91%). Os dados são da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). 

São números semelhantes aos levantados pela Serasa Experian, que também mostraram aumento no volume de cheques devolvidos em dezembro, quando representavam 1,94% do total, para janeiro, ao passarem para 2,06% das movimentações gerais.

Segundo a Serasa, o Amapá liderou o ranking estadual dos cheques sem fundos, com 15,27% das devoluções, seguido por Roraima (13,57%) e Sergipe (10,39%). Já Rio de Janeiro e São Paulo foram os estados com menores volumes de cheques devolvidos, 1,60% e 0,88%, respectivamente - únicos com volume abaixo da média nacional.

Economistas dizem ser comum o aumento dos cheques sem fundos em janeiro, uma influência do acúmulo de compromissos financeiros típicos de início de ano.

Na variação anual, segundo a Boa Vista SCPC, o volume físico de cheques devolvidos recuou 15%, enquanto os cheques movimentados diminuíram 13,1%. Separando o volume dos cheques devolvidos de pessoas físicas e jurídicas, na mesma base de comparação, a devolução foi 16,9% menor para as pessoas físicas e 10% inferior para as pessoas jurídicas.

Na comparação mensal, o volume físico dos cheques devolvidos recuou 9,5% na comparação mensal, enquanto os cheques movimentados registraram queda de 14,6%, o que contribuiu para o aumento do percentual no período.



Essa foi a primeira alta do semestre. Houve aumento de 11% na movimentação dos consumidores no final de semana de 25 a 27 de novembro, de acordo com Serasa

comentários

As micro e pequenas empresas lideraram os pedidos de recuperação e de falências no ano, segundo a Serasa Experian

comentários

No acumulado deste ano, o indicador avançou 24,9% em relação ao mesmo período de 2015

comentários