Facesp

Ano começa com dívida de R$ 15,5 milhões no comércio


Gilberto Joaquim Zochio, tesoureiro da Acim, sugere mais informações sobre os devedores pelos comerciantes


  Por Redação Facesp 06 de Fevereiro de 2017 às 00:00

  | Da equipe de comunicação da Federação das Associações Comerciais do Estado de S.Paulo


O mês de janeiro deste ano assinalou um débito acumulativo de R$ 15.378.298,32 nos últimos cinco anos, conforme dados apresentados pelo Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC) da Associação Comercial e Industrial (ACI) de Marília. “Infelizmente essa quantia deixa de circular entre as lojas do comércio mariliense”, falou o tesoureiro da associação comercial local, Gilberto Joaquim Zochio, ao analisar os dados estatísticos que mensalmente a entidade faz, para monitorar o débito acumulativo existente. “No ano passado somente quatro meses do ano assinalaram valores acima dos R$15 milhões”, apontou o dirigente ao fazer o comparativo.

Do valor acumulado no mês de janeiro existem 26.020 devedores cadastrados que proporcionaram um débito de R$ 591,00 na média, o que é considerado elevado para o padrão normal das lojas da cidade. “Um valor que faz falta considerável para qualquer lojista”, disse o tesoureiro da associação comercial mariliense, ao verificar as 46.732 dívidas cadastradas no mês de janeiro reunindo as dívidas dos últimos cinco anos. “Nesse caso, um devedor passar a ter mais de uma dívida que tem em média o valor de R$ 329,00”, ressaltou Gilberto Joaquim Zochio em tom de preocupação. “O tempo máximo de existência de um débito é de cinco anos, por isso, fazemos o monitoramento”, explicou o dirigente mariliense.

Neste acumulado as mulheres formam um grupo maior que a dos homens nos débitos. São 13.410 cadastradas no sexto feminino, diante dos 8.374 homens cadastrados. “Infelizmente não são todos os lojistas que registram com detalhes quem são devedores”, apontou Gilberto Joaquim Zochio ao sugerir aos lojistas que preencham integralmente a ficha de inclusão do devedor, para que a estatística fique mais precisa quanto ao sexo, idade e tudo mais. “Os valores estão corretos, porque esta informação é fundamental”, lembrou ao dizer que o perfil do devedor, depende do lojista assinalar. “Monitoramos os grupos de idade, para tentar desenhar um perfil daqueles que normalmente devem no comércio”, comentou o tesoureiro da diretoria que lamenta a informação incompleta dos comerciantes que incluem os devedores no sistema.

O alerta do dirigente se deve em razão de que a informação é a principal arma contra a inadimplência, segundo o tesoureiro. “Até para traçar o perfil e repassar para os lojistas”, completou ao verificar que dos informados, o grupo de 30 a 35 anos de idade, envolvendo homens e mulheres, é o que mais tem dívida acumulada nos últimos cinco anos. “O menor grupo é da faixa etária de 42 a 47 anos, com 3.176 registros”, comparou ao mostrar a possibilidade de ajudar o comerciante a decidir a liberação de crédito ao cliente. “Isso quer dizer que o lojista tem que pensar duas vezes, quando se deparar com um cliente pedindo crédito, sendo mulher e na faixa de idade entre 30 e 35 anos”, sugeriu ao verificar os 4.093 registros no SCPC da Acim neste grupo.