São Paulo, 26 de Julho de 2017

/ Economia

Varejo registra maior queda nas vendas em 12 anos
Imprimir

Dados do IBGE apontam recuo de 3,1% nas vendas do comércio. Bens de maior valor agregado, como eletrodomésticos ou móveis, registraram os maiores recuos

As vendas no varejo caíram 3,1% em fevereiro quando comparadas com igual mês do ano passado. O resultado, atribuído ao varejo restrito - que não inclui as vendas de veículos e materiais de construção -, é o pior desde outubro de 2003. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE)

A queda foi maior do que a prevista pelos analistas de mercado, que em geral anteviam um recuo de pouco mais de 2%. Para Emilio Alfieri, economista da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), a comparação entre fevereiros não pode ser tomada como parâmetro para o comportamento das vendas do ano por causa do efeito do Carnaval.

O Carnaval muda o comportamento de compra dos consumidores. Neste ano ele caiu em fevereiro, mas em 2014 aconteceu em março. “Provavelmente vamos observar os números do IBGE um pouco melhores em março”, diz o economista.

Na comparação com janeiro de 2015, os números do instituto para fevereiro mostram um uma queda menor, de 0,1%. No primeiro bimestre do ano houve queda de 1,2%. No acumulado em 12 meses, alta de 0,9%.

Ainda considerando o varejo restrito, as quedas mais acentuadas foram observadas entre produtos de maior valor agregado,  que são mais dependentes do crédito. O segmento de eletrodoméstico mostrou recuo de 10,1% e o de móveis, queda de 11%.

Excluindo a influência do Carnaval, os outros fatores que, segundo Alfieri, estão influenciando o comportamento de compra dos consumidores são a desaceleração do crédito, da massa salarial e o aumento do desemprego. Estes sim devem ser levados para as projeções das vendas no ano.

“Assim como o governo faz seu ajuste fiscal, os consumidores estão fazendo seus ajustes de orçamento diante desses fatores menos favoráveis”, explica o economista da ACSP.

O Índice Nacional de Confiança (INC), um levantamento feito pela ACSP juntamente com o Instituto Ipsos, mostrou que o consumidor está menos disposto a gastar nos próximos seis meses. De um total de 1,2 mil  entrevistados em março no país, 51% apontaram que não estão à vontade para fazer compras de grande valor, como a aquisição eletrodomésticos. Em janeiro esse percentual era bem menor (36%).

De maneira semelhante, o receio de perder o emprego, que em janeiro era apontado por 16% dos entrevistados, passou a ser uma preocupação para 23% em março. 

VEÍCULOS

No varejo ampliado (que considera as vendas de veículos e materiais de construção) a queda entre fevereiro deste ano e do ano passado foi de 10,3% segundo o IBGE. Em veículos a queda, em igual base de comparação, foi de 23,7%. Na comparação com janeiro, as vendas do segmento em fevereiro recuaram 3,5%.

No caso de materiais de construção a queda foi de 13% entre fevereiro deste ano ante igual mês do ano passado e de 0,7% na comparação com janeiro.

ANÁLISE

Tanto o varejo restrito quanto o ampliado seguem em clara desaceleração em 2015. Esse é o retrato do comércio neste começo do ano, na avaliação da área de pesquisa econômica do Banco Fator, coordenada por José Francisco de Lima Gonçalves, a partir da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) de fevereiro, divulgada nesta terça-feira, 14, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em relatório a clientes, Gonçalves afirma que o "dado de fevereiro veio bastante fraco e confirma a percepção de atividade em contração neste começo de ano".

No caso do varejo ampliado, o resultado segue indicando contração em relação ao ano passado, mesmo já se levando em conta a baixa base de comparação em 2014. A queda do segmento veículos, motos, partes e peças de 23,7% na comparação anual e o recuo de 13% do segmento material de construção na mesma base de comparação justificam a maior parte da contração de 10,3% em fevereiro deste ano ante o mesmo mês do ano passado.

No caso do varejo restrito, a queda de 3,1% nessa mesma base de comparação retrata comportamento bastante heterogêneo entre os segmentos. No relatório, os economistas Fator exemplificam. As vendas de Combustíveis e lubrificantes recuaram 10,4% na comparação anual e contribuíram negativamente com 1,1 ponto porcentual (p.p) no resultado do período.

Já Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação aumentaram 8,4% e adicionaram 0,3 p.p. no resultado do mês. "Destacamos também as contribuições negativas de Móveis e eletrodomésticos (-1,3 p.p.), Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-0,9 p.p.) e Tecidos, vestuário e calçados (-0,5 p.p.).



A crise econômica gerou mudanças nos hábitos de consumo dos brasileiros, que aprenderam a pesquisar preços e transformaram presentes em lembrancinhas

comentários

De forma geral, os indicadores continuam em patamares melhores do que no ano passado, mas ainda aquém do desejável de uma economia em sua plenitude, de acordo com a Fecomercio

comentários

A inflação medida pelo IPCA-15 fechou com deflação de 0,18% em julho, 0,34 ponto percentual inferior ao resultado de junho

comentários