São Paulo, 24 de Junho de 2017

/ Economia

Valorização do real é perigosa para a economia brasileira
Imprimir

Para os estrategistas do banco francês Crédit Agricole, investidores estrangeiros estão ignorando o risco político no Brasil e por isso o fortalecimento da divisa brasileira é "absurdo e perigoso"

A economia brasileira ainda está muito frágil para sustentar uma valorização tão grande do real, destacou a equipe de estrategistas do Crédit Agricole.

Para o banco francês, investidores estrangeiros estão ignorando o risco político no Brasil e a avaliação é que o fortalecimento da divisa brasileira é "absurdo e perigoso".

O pior momento do real em relação ao dólar foi em setembro de 2015, quando a moeda norte-americana bateu em R$ 4,21 em meio à crise política no ainda governo de Dilma Rousseff. Este mês, a divisa dos EUA bateu em R$ 3,05 no último dia 23 e, para os economistas do Crédit, o real pode se valorizar ainda mais no curto prazo.

JUROS ALTOS

Dois fatores explicam a tendência de valorização do real, de acordo com o relatório do Crédit Agricole.

O primeiro é que a taxa de juros no Brasil segue entre as maiores do mundo, o que estimula o chamado "carry trade", quando um investidor toma recursos em uma economia de juro baixo para aplicar em outra de taxa elevada.

O segundo fator é a aposta de que o governo do presidente Michel Temer vai conseguir avançar com o ajuste fiscal e empreender outras reformas econômicas, fazendo o País voltar a crescer em ritmo mais forte.

Para os estrategistas do Crédit, um dos problemas é que os investidores estão ignorando os persistentes riscos políticos no país, mesmo que Temer esteja usando de todos os meios possíveis para se "fortalecer". 

FOTO: Thinkstock



A informação é do Banco Central, que divulgou o IBC-Br, conhecido como prévia do PIB. No trimestre encerrado em abril, a alta foi de 1,45%

comentários

A leve tendência de recuperação na economia não será forte o suficiente para reduzir de forma intensa o número de desempregados no País, de acordo com o Instituto

comentários

No comércio exterior, o saldo anual acumulado ficou positivo em US$ 28,558 bilhões, com importações de US$ 57,736 bilhões e exportações de US$ 86,294 bilhões

comentários