São Paulo, 22 de Maio de 2017

/ Economia

Valorização do real é perigosa para a economia brasileira
Imprimir

Para os estrategistas do banco francês Crédit Agricole, investidores estrangeiros estão ignorando o risco político no Brasil e por isso o fortalecimento da divisa brasileira é "absurdo e perigoso"

A economia brasileira ainda está muito frágil para sustentar uma valorização tão grande do real, destacou a equipe de estrategistas do Crédit Agricole.

Para o banco francês, investidores estrangeiros estão ignorando o risco político no Brasil e a avaliação é que o fortalecimento da divisa brasileira é "absurdo e perigoso".

O pior momento do real em relação ao dólar foi em setembro de 2015, quando a moeda norte-americana bateu em R$ 4,21 em meio à crise política no ainda governo de Dilma Rousseff. Este mês, a divisa dos EUA bateu em R$ 3,05 no último dia 23 e, para os economistas do Crédit, o real pode se valorizar ainda mais no curto prazo.

JUROS ALTOS

Dois fatores explicam a tendência de valorização do real, de acordo com o relatório do Crédit Agricole.

O primeiro é que a taxa de juros no Brasil segue entre as maiores do mundo, o que estimula o chamado "carry trade", quando um investidor toma recursos em uma economia de juro baixo para aplicar em outra de taxa elevada.

O segundo fator é a aposta de que o governo do presidente Michel Temer vai conseguir avançar com o ajuste fiscal e empreender outras reformas econômicas, fazendo o País voltar a crescer em ritmo mais forte.

Para os estrategistas do Crédit, um dos problemas é que os investidores estão ignorando os persistentes riscos políticos no país, mesmo que Temer esteja usando de todos os meios possíveis para se "fortalecer". 

FOTO: Thinkstock



A agropecuária foi o destaque positivo da atividade econômica, com alta de 10,8%, segundo levantamento da Serasa

comentários

Embora com média pouco acima da América Latina, o país continua atrás de quatro dos 11 países do Continente, de acordo com levantamento da FGV

comentários

Parte do mercado acredita que ele não tem fôlego para evitar novas concessões na reforma da Previdência, com efeitos muito ruins no futuro da economia

comentários