São Paulo, 25 de Setembro de 2016

/ Economia

Tombini diz que está vigilante com a inflação
Imprimir

O presidente do Banco Central disse a executivos de finanças que o objetivo de levar a inflação para a meta de 4,5% ao ano em 2016 não foi abandonado

O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, reafirmou nesta quarta (18) que a política monetária "está e continua vigilante", com o objetivo de levar a inflação para a meta de 4,5% no próximo ano.

"Há fatores que indicam ser factível a convergência da inflação para o centro (da meta) em 2016. Quero deixar claro nosso compromisso de convergência da inflação à meta", disse Tombini, em palestra realizada pelo banco Goldman Sachs para executivos financeiros, investidores e clientes do banco.

Tombini apontou que o realinhamento de preços relativos, como os administrados e a taxa de câmbio, provocam uma inflação elevada no começo do ano, mas a autoridade monetária acredita que este movimento deverá ficar "circunscrito" basicamente ao primeiro trimestre.

Acrescentou que o governo está adotando um amplo conjunto de medidas fiscais que visam a convergência da inflação "no horizonte relevante da política monetária". "Política fiscal consistente contribui para elevar a potência da política monetária", afirma.

O presidente do BC avalia que a economia brasileira está crescendo abaixo do potencial. Depois, fez um relato sobre a economia global, que na sua avaliação está em processo de recuperação, porém de forma desigual.

E mencionou a queda dos preços das commodities, que tem impactado as economias emergentes, ressaltando que, atualmente, os Estados Unidos continuam sendo a locomotiva da economia mundial.

FORTALECIMENTO DO DÓLAR

Para Tombini, o que mais chama a atenção no momento é o fortalecimento do dólar americano. "O 'dollar index' [índice que compara o dólar a diversas moedas] valorizou-se 25% nos últimos 12 meses", diz. Tombini destacou que a valorização é um fenômeno global.

Sobre a manutenção do programa de swap cambial (operações equivalentes à venda de dólar no mercado futuro), que deveria se encerrar no final deste mês, o presidente do BC afirmou que uma decisão deve sair nas próximas semanas.

Ele destacou que o programa visa oferecer proteção para o setor privado, inclusive em momentos de variação da moeda norte-americana, como ocorreu recentemente. "Estamos tranquilos em relação ao objetivo do programa, que tem tamanho significativo para oferecer proteção", afirma.



O impacto da paralisação nos resultados é cada vez menor, por causa da digitalização das transações, via computadores e do celulares

comentários

É o que prevê a FGV para setembro ao revisar para baixo o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) da Fundação Getulio Vargas (FGV)

comentários

Inflação menor em setembro, declarações do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e contratos no mercado futuro reforçam a expectativa de queda do juro

comentários