São Paulo, 25 de Abril de 2017

/ Economia

Smartphones ajudaram na queda da inflação do e-commerce
Imprimir

Os preços desses aparelhos recuaram, em média, 11% em fevereiro, segundo o Índice Fipe Buscapé

Os preços do comércio eletrônico registraram queda de 1,95% em fevereiro, na comparação com o mesmo período de 2016, de acordo com o Índice Fipe Buscapé. 

Este foi o terceiro mês seguido de deflação, após uma série de 21 meses de alta. Em relação a janeiro de 2017, os preços subiram 0,84%.

Entre as 148 categorias monitoradas pelo índice, 88 delas registraram aumento de preços em fevereiro, na comparação anual. A queda, porém, foi impulsionada pela expressiva baixa nos preços de celulares e smartphones, de 11%.

"Em fevereiro do ano passado, o e-commerce registrou um dos maiores picos de inflação de sua história, impulsionada pela crise e pela alta do dólar, que chegou a ultrapassar a casa dos R$ 4,00. Além do cenário mais estável e queda do dólar, também contribui para a redução de preços de smartphones o anúncio de lançamento de importantes marcas", disse Sandoval Martins, CEO do Buscapé Company. 

Outras categorias que também tiveram retração foram fotografia (-4,09%), informática (-2,41%), eletrônicos (-2,05) e moda e acessórios (-1,37%).

A deflação é considerada algo natural no ambiente do varejo online. Por este ser um canal de vendas em que há forte participação de itens de tecnologia, o efeito de queda nos preços ocorre em razão de lançamentos de produtos superiores ou troca de coleções.

IMAGEM: Thinkstock



De acordo com a pesquisa da FGV, a proporção de consumidores prevendo uma inflação abaixo da meta do governo cresceu entre março e abril

comentários

As medidas econômicas adotadas pelo governo estão no caminho certo e não podem parar apesar da crise política, segundo o Boletim de Conjuntura Econômica da Associação Comercial de São Paulo (ACSP)

comentários

As empresas do ramo fecharam o ano com R$ 250,5 bilhões em receitas, de acordo com a Abad. Expectativa é de que o setor feche 2017 com alta de 1%

comentários