Economia

Pessimismo com economia faz confiança do consumidor cair 1,1 ponto em agosto


Isso apesar da percepção de melhora dos brasileiros na avaliação da situação financeira familiar, de acordo com indicador da FGV


  Por Estadão Conteúdo 25 de Agosto de 2017 às 08:31

  | Agência de notícias do Grupo Estado


A confiança do consumidor recuou 1,1 ponto em agosto ante julho, na série com ajuste sazonal, informou na manhã desta sexta-feira (25/08), a Fundação Getulio Vargas (FGV).

Com o resultado, o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) ficou em 80,9 pontos. Após a terceira queda consecutiva, o indicador atingiu o menor nível desde janeiro, quando estava em 79,3 pontos.

Viviane Seda Bittencourt, coordenadora da Sondagem do Consumidor no Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), afirma, em nota oficial, que apesar de uma melhora na avaliação da situação financeira familiar presente, possivelmente relacionada com a desaceleração nos preços de alimentos, o consumidor continua com prognóstico pessimista em relação aos próximos meses, principalmente no que diz respeito à evolução da economia.

LEIA MAIS:No 1º ano da crise, comércio fechou locais, demitiu e diminuiu salário

"Ainda há incerteza em relação ao futuro e por isso muita cautela nos gastos com compras a prazo, em um ambiente que o comprometimento de renda e o desemprego são ainda elevados", avalia.  

Em agosto, o Índice de Situação Atual (ISA) subiu 1,0 ponto, ao passar de 69,7 para 70,7 pontos, enquanto o Índice de Expectativas (IE) recuou 2,5 pontos, para 88,9 pontos, o menor nível desde janeiro.

A melhora na percepção sobre as finanças familiares no momento presente exerceu a maior contribuição para a alta do ISA. O indicador de situação financeira atual das famílias subiu 2,4 pontos, para 65,4 pontos.

Por outro lado, houve maior pessimismo para os próximos seis meses. O indicador de situação financeira futura da família teve queda de 4,6 pontos, para 86,9 pontos.

A Sondagem do Consumidor coletou informações de mais de dois mil domicílios em sete capitais brasileiras, com entrevistas realizadas entre os dias 1º e 22 de agosto.

Imagem: Fátima Fernandes/Redação DC