São Paulo, 26 de Julho de 2017

/ Economia

Mercado financeiro projeta Selic em 8,25% ao ano
Imprimir

A projeção para a inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), caiu pela sexta vez seguida, informa o boletim Focus, do Banco Central

O mercado financeiro espera por inflação e crescimento econômico menores este ano.

A estimativa para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, desta vez, caiu de 0,39% para 0,34%.

A projeção para a inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), caiu pela sexta vez seguida, ao passar de 3,46% para 3,38%, este ano.

Estas estimativas são do boletim Focus, uma publicação elaborada todas as semanas pelo Banco Central sobre os principais indicadores econômicos.

Para 2018, a projeção para o crescimento do PIB foi mantida em 2% e a estimativa para o IPCA foi ajustada de 4,25% para 4,24%. As projeções permanecem abaixo do centro da meta de inflação, que é 4,5%.

As instituições financeiras esperam por uma taxa básica de juros, a Selic, menor neste ano e em 2018.

A projeção para o final de 2017 passou de 8,50% para 8,25% ao ano. Para o fim de 2018, a expectativa foi alterada de 8,25% para 8% ao ano. Atualmente, a Selic está em 10,25% ao ano.

A Selic é um dos instrumentos usados para influenciar a atividade econômica e, consequentemente, a inflação.

Quando o Copom diminui os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle sobre a inflação. 

IMAGEM: Thinkstock



Derrubando os juros para 9% ao ano, o BC estimularia as vendas, a produção e a arrecadação federal, adotando um jogo em que todo mundo ganha, segundo Alencar Burti, presidente da ACSP

comentários

Relatório Focus do Banco Central projeta aumento de 3,29% para 3,33% inflação neste ano. Demais indicadores permanecem inalterados

comentários

A mediana da inflação esperada pelos consumidores nos próximos 12 meses ficou em 6,9% em julho revela levantamento da Fundação Getulio Vargas (FGV)

comentários