São Paulo, 29 de Julho de 2017

/ Economia

Inflação: projeção já está abaixo do centro da meta
Imprimir

A estimativa para o IPCA passou de 4,36% para 4,19% em 2017; Selic cairá para 9%, de acordo com o boletim Focus, do Banco Central

O mercado financeiro reduziu a projeção para a inflação este ano. A estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de 4,36% para 4,19%, de acordo com o boletim Focus, uma publicação elaborada a cada semana, pelo Banco Central (BC), e divulgada às segundas-feiras.

A projeção para a inflação este ano está abaixo do centro da meta, que é 4,5%. A meta tem ainda limite inferior de 3% e superior de 6%. Para 2018, a estimativa não foi alterada – segue em 4,5%.

A projeção de instituições financeiras para o crescimento da economia (Produto Interno Bruto – PIB – a soma de todas as riquezas produzidas pelo país) este ano foi ajustada de 0,49% para 0,48%. Para o próximo ano, a estimativa passou de 2,39% para 2,40%.

SELIC

O mercado financeiro revisou o cenário para a trajetória do juro e prevê que o ciclo de afrouxamento realizado pelo Comitê de Política Monetária (Copom) será um pouco mais forte.

A pesquisa semanal do Banco Central mostra que a mediana das previsões para o patamar do juro básico no fim deste ano caiu de 9,25% para 9,00%. Há um mês, estava em 9,50%.

O Relatório Focus indicou também que a mediana das projeções dos economistas para a Selic no fim de 2018 caiu de 9,00% para 8,75%, ante 9,00% de um mês atrás.

O Copom anunciou no fim de fevereiro corte de 0,75 ponto da Selic, de 13,00% para 12,25% ao ano, como esperado pelo mercado. No entanto, deixou a porta aberta para a intensificação dos cortes nos próximos encontros, o que dependerá "da estimativa da extensão do ciclo" e da "evolução da atividade econômica, dos demais fatores de risco e das projeções e expectativas de inflação".

*Com Estadão Conteúdo

IMAGEM: Thinkstock



Instituições públicas e privadas afirmaram que o custo do crédito para empresas e consumidores refletirá o recuo de 1 ponto percentual da taxa básica da economia

comentários

A redução da taxa para 9,25% ao ano foi acertada, segundo Alencar Burti, presidente da ACSP e Facesp

comentários

Derrubando os juros para 9% ao ano, o BC estimularia as vendas, a produção e a arrecadação federal, adotando um jogo em que todo mundo ganha, segundo Alencar Burti, presidente da ACSP

comentários