São Paulo, 10 de Dezembro de 2016

/ Economia

Inflação do aluguel sobe 0,67% em junho
Imprimir

Com alta pontual no mês, a estimativa da FGV é de variação de cerca de 0,50% em julho. Em 12 meses, o índice chega a 5,59%

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) acelerou de 0,41% em maio para 0,67% em junho - puxado pela alta de preços de serviços de construção, transportes, alimentos e jogos lotéricos. 

O índice, muito utilizado como parâmetro para reajuste de contratos de aluguel, acumula 4,33% em 2015. Em 12 meses até junho, o IGP-M subiu 5,59%, ainda abaixo da inflação oficial medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), que está em 8,47% em 12 meses até maio. 

LEIA MAIS: Consulte o fator de reajuste para o aluguel

A estimativa é que o IGP-M volte a desacelerar em julho e chegue a uma taxa média de 0,50% no fechamento do mês que vem, segundo André Braz, economista do Ibre/FGV (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas). 

Mesmo com a pressão de alimentos in natura sobre o indicador, ele acredita que a sazonalidade favorável para os meses de maio e julho - e que ainda não ocorreu - possa refletir sobre os preços e permitir uma inflação menor ante junho. 

Ainda assim, o IGP-M deve ter um resultado superior à deflação de 0,61% apurada em julho de 2014.Já a taxa acumulada em 12 meses, disse, deve continuar avançando, seguindo o IPC. 

Em 12 meses terminados em junho, o IGP-M atingiu 5,59%, enquanto o IPC ficou em 8,84%. "Está abaixo do IPC, mas deve seguir avançando", estimou.

O IGP-M é composto por três outros índices: IPC (Índice de Preços ao Consumidor), IPA (Índice de Preços ao Produto Amplo) e INCC (Índice Nacional de Custo da Construção). 

No IGP-M de junho, o IPC acelerou para 0,83%, após 0,68% em maio, principalmente por causa da pressão dos preços de frutas (de -5,24% para -2,31%), ovos (-1,20% para alta de 0,84%) e carnes bovinas (de 1,11% para 2,07%).

Além da expectativa de preços de alimentos mais comportados, os efeitos do aumento promovido em maio em jogos lotéricos devem se dissipar em julho. 

Segundo Braz, a alta de preços de jogos lotéricos de 49,37% em junho ajudou a impulsionar o IPC para 0,83% (de 0,68%) no IGP-M, assim como o grupo Alimentação (de 0,67% para 0,98%). 

"Pressionou, mesmo por se tratar de um item que tem pouco peso. No entanto, um aumento de quase 50% não é nada desprezível. Acaba comprometendo 0,30% do orçamento familiar, ou seja, tem o mesmo peso que o arroz. A alta forte em loterias foi o pico. Deve desacelerar daqui para frente, quem sabe a taxa tende a zerar", diz.

Outra influência veio das altas de preços da cebola (de 19,06% para 36,33%), taxa de água e esgoto residencial (0,54% para 3,31%), condomínio residencial (de 0,74% para 1,32%) e refeições em bares e restaurantes (de 1,04% para 0,45%).

O grupo Transportes (que subiu de 0,14% para 0,28%) avançou principalmente por causa do preço da gasolina (que passou de -0,61% para 0,30%). 

Outro indicador que faz parte do IGP-M é o INCC, que saiu de 0,45% em maio para 1,87% em junho. O que puxou essa aceleração foi o grupo relativo a Mão de Obra, que teve variação de 3,16%, ante 0,24% em maio. Já Materiais, Equipamentos e Serviços foi para 0,47% ante 0,67% no mês anterior.

Na passagem de maio para junho houve aumento nos preços de serviços de ajudante especializado (de 0,30% para 2,88%), servente (0,25% para 3,30%), carpinteiro (0,12% para 3,38%), pedreiro (0,29% para 3,13%) e engenheiro (0,09% para 3,41%).

"Já imaginávamos que o INCC teria papel fundamental. De forma inédita, ocupou espaço importante, por causa dos dissídios da construção", disse, ao referir-se a aumentos de salários feitos recentemente em locais como São Paulo e Rio de Janeiro, mas que demoraram para acontecer e acabaram refletindo só agora sobre o IGP-M.

IPA: PRESSÃO DE ALIMENTOS

O economista, porém, ressaltou que a desaceleração do ritmo de queda nos preços da soja (que passou de -4,07% para -0,44%) e a mudança de sinal dos alimentos in natura (de queda de 2,62% para elevação de 1,80% em junho) também pressionaram o IPA Agropecuário, que saiu de -1,51% para -0,23% este mês, e, consequentemente influenciou o IGP-M do período. 

Segundo ele, no geral, as altas refletem aumento de custos com água, energia, mão de obra e redução de área. Além disso, completou, o movimento deve impactar os preços no varejo, já que não são produtos bastantes demandados pelos consumidores. 

"Preocupa, pois parece que essas altas não serão dissipadas em 2015. Daqui a pouco, o inverno acaba e a temperatura tende a subir, dificultando ainda mais os custos dos produtores. A janela para devolução está ficando cada vez mais curta", afirma.

Segundo o economista do Ibre/FGV, enquanto os alimentos in natura estão tendo comportamento considerados atípicos para o período, quando se espera taxas mais brandas, os grãos como a soja estão reagindo a perspectivas menores para a safra no Brasil e também no exterior. 

"A queda da soja vem de um certo pessimismo de que a colheita não será tão boa quanto o esperado. Como soja pesa bastante, acaba influenciando o IPA", afirma.

Além da soja, outras matérias-primas como as aves (de -3,60% para alta de 0,98%) ajudaram o IPA (de 0,30% para 0,41%) a acelerar de maio para junho. Ele citou especialmente a pressão em relação aos preços do frango, que têm alta acumulada de 2,98% em 12 meses finalizado em junho. 

Foto: Thinkstock

 



Resultado abre espaço para uma redução menos “tímida” da taxa de juros por parte do Banco Central, segundo economistas da ACSP

comentários

...o movimento de melhora relativa do indicador da FGV abre apenas a possibilidade de uma redução no ritmo de queda dos investimentos produtivos nos próximos meses

comentários

Em 12 meses, o resultado ficou em 6,99%, ainda muito acima do teto da meta estipulada pelo governo, de 6,5%

comentários