São Paulo, 08 de Dezembro de 2016

/ Economia

Inflação da terceira idade dobra no primeiro trimestre
Imprimir

indicador da FGV que mede a inflação percebida pela população com mais de 60 anos de idade atingiu 4,16% no acumulado de janeiro a março

A inflação percebida pelos idosos encerrou o primeiro trimestre de 2015 em forte alta. A taxa acumulada no período ficou em 4,16%, mais que o dobro do aumento de 2,02% observado no quarto trimestre de 2014, em função, principalmente, da energia elétrica.

É o que mostra o Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade (IPC-3i) divulgado pela Fundação Getulio Vargas (FGV), nesta segunda-feira, 13. O indicador mede a inflação percebida pela população com mais de 60 anos de idade.

O resultado também ficou acima do resultado observado nos primeiros três meses do ano passado (2,30%). Em 12 meses até março de 2015, o IPC-3i acelerou a 8,56%.

O IPC-3i no primeiro trimestre ficou no mesmo patamar do Índice de Preços ao Consumidor - Brasil (IPC-BR), que mede a inflação em todas as faixas etárias. O IPC-Br também subiu 4,16% entre janeiro e março. Já em 12 meses, a inflação da terceira idade foi levemente mais branda do que os 8,59% percebidos entre a média dos consumidores.

Ao todo, cinco das oito classes de despesa que formam o índice ganharam força na comparação trimestral. A principal contribuição partiu do grupo Habitação (1,94% para 6,88%). Segundo a FGV, as tarifas de eletricidade residencial ficaram 35,11% mais caras, uma taxa bem maior do que o aumento de 6,77% observado no último trimestre do ano passado. Pagar o condomínio também ficou mais oneroso, diante do aumento de 8,92% no período.

Contribuíram também para a aceleração do índice os grupos Transportes (1,96% para 4,98%), Alimentação (2,92% para 4,31%), Despesas Diversas (0,56% para 3,65%) e Saúde e Cuidados Pessoais (1,47% para 1,59%). Para cada uma destas classes de despesa, destacam-se os itens gasolina (1,76% para 9,85%), hortaliças e legumes (21,36% para 26,38%), cigarros (-0,11% para 5,82%) e médico (1,72% para 3,57%), respectivamente.

No sentido contrário, perderam força no trimestre os grupos Vestuário (2,16% para -0,64%), Educação, Leitura e Recreação (2,94% para 2,10%) e Comunicação (0,85% para 0,38%). Os itens que contribuíram para estes movimentos foram roupas (2,28% para -1,58%), passagem aérea (30,97% para -19,19%) e tarifa de telefone residencial (0,12% para -1,16%), respectivamente.

O IPC-3i representa o cenário de preços sentido em famílias com pelo menos 50% dos indivíduos de 60 anos ou mais de idade e renda mensal entre 1 e 33 salários mínimos.



Redução maior foi discutida na reunião do Copom, mas ainda depende da queda na resistência de alguns componentes do índice de preços, segundo Ilan Goldfajn, presidente do BC

comentários

A redução nos preços dos materiais e serviços ajudaram a desacelerar a inflação na construção em novembro

comentários

Porém, no acumulado do ano, o valor supera o registrado em 2015. A informação é do Dieese, que diz que o salário mínimo necessário para suprir as necessidades das famílias seria R$ 3.940

comentários