São Paulo, 30 de Abril de 2017

/ Economia

Índice de Confiança do comércio recua 4,4% em março
Imprimir

É a quinta queda consecutiva na pesquisa da FGV. Com esse resultado, O indicador permanece na zona considerada "desfavorável" à atividade

O Índice de Confiança do Comércio (Icom) caiu 4,4% em março ante fevereiro, na série com ajuste sazonal, informou nesta sexta-feira (27) a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Diante desta quinta queda consecutiva, o Icom atingiu 92 pontos no período, renovando o piso histórico da série iniciada em março de 2010. Além disso, o índice permanece na zona considerada "desfavorável" à atividade, abaixo dos 100 pontos, pelo segundo mês consecutivo. A média histórica do Icom é de 125,2 pontos. Na comparação com março de 2015, o recuo registrado em março foi de 24,7%.

"O setor se queixa do nível fraco da demanda e se preocupa com o estado geral da economia, o ambiente político e a queda forte da confiança do consumidor neste início de ano", avalia Aloisio Campelo, superintendente adjunto de Ciclos Econômicos da FGV.

A piora mais intensa ocorreu em relação às avaliações sobre o momento presente. O Índice da Situação Atual (ISA) caiu 8,8% neste mês, para 69,1 pontos (o pior nível da série). Já o Índice de Expectativas (IE) recuou 1,5% em março, para 114,9 pontos.

Segundo Campelo, as expectativas em relação aos próximos meses pioraram relativamente pouco na comparação com a queda registrada em fevereiro. No entanto, o recuo foi suficiente para levar o IE a um novo recorde negativo.

Desde a edição de novembro, a Sondagem do Comércio passou a trazer oficialmente dados com ajuste sazonal. Até então, o Icom era divulgado apenas com variações interanuais trimestrais. Como a série ainda é recente (iniciada em março de 2010), a FGV adiantou que vai revisar os resultados mês a mês, até que estejam mais consolidados.

A coleta de dados para a edição de março da sondagem foi realizada entre os dias 03 e 24 deste mês e obteve informações de 1.215 empresas.



Negociadores do acordo entre Mercosul e UE acham possível chegar até o fim do ano a um "acordo político", ou seja, às linhas principais do entendimento

comentários

Entidades setoriais condenam a paralisação pelos danos às vendas e à mobilidade dos trabalhadores. Perdas do comércio podem chegar a R$ 5 bilhões em todo o país

comentários

Mesmo com a ausência de funcionários, lojistas do centro da capital e região da avenida Paulista tentavam manter a rotina na manhã desta sexta-feira (28/04)

comentários