São Paulo, 21 de Fevereiro de 2017

/ Economia

Indicador de tendência de emprego fecha 2016 em queda
Imprimir

De acordo com os dados da FGV, o Indicador Antecedente de Emprego recuou 3,1 pontos em dezembro em relação a novembro

O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) recuou 3,1 pontos em dezembro ante novembro, para 90,0 pontos, após uma alta de 0,2 ponto no mês anterior, divulgou nesta quarta-feira, 11, a Fundação Getulio Vargas (FGV).

Na métrica de média móveis trimestrais, o indicador apresentou uma queda de 1,2 ponto, a primeira queda desde outubro de 2015 (-0,2 ponto), segundo a FGV.

Já o Indicador Coincidente de Desemprego (ICD) subiu 0,6 ponto na passagem de novembro para dezembro, alcançando 103,6 pontos, após subir 3,8 pontos no mês anterior.

Segundo a entidade, os indicadores refletem, mais uma vez, a piora na percepção da situação da economia no País.

No IAEmp, os componentes que mais contribuíram para a queda foram os indicadores sobre o ímpeto de contratações nos próximos três meses, na Sondagem da Indústria, e sobre a expectativa dos consumidores de encontrar emprego, na Sondagem do Consumidor, com variações de -6,8 e -6,5 pontos, respectivamente, informou a FGV, em nota.

Já no ICD, a classe de renda do consumidor que mais contribuiu para a alta do indicador foi o grupo com renda mensal familiar entre R$ 4.800,00 e R$ 9.600,00.

"O IAEmp apresenta retração pelo segundo mês seguido devido à redução do entusiasmo quanto a uma recuperação mais célere da economia brasileira tanto por parte do empresariado quanto pelos consumidores", diz o comentário distribuído em nota pela FGV.

"Ao mesmo tempo, a forte elevação do ICD reflete a elevação das taxas de desemprego observadas e a maior dificuldade de se conseguir emprego."

O IAEmp é formado por uma combinação de séries extraídas das Sondagens da Indústria, de Serviços e do Consumidor, todas apuradas pela FGV.

Já o ICD é construído a partir dos dados desagregados, em quatro classes de renda familiar, de perguntas da Sondagem do Consumidor que procura captar a percepção sobre a situação presente do mercado de trabalho.

O objetivo é antecipar os rumos do mercado de trabalho no Brasil.

FOTO: Thinkstock



Dados do Caged mostram aumento de contratações em janeiro, segundo o banco. A análise prevê um crescimento do PIB de 1% este ano, acelerando para 4% em 2018

comentários

A opinião é de Eduardo Magrani, da Fundação Getulio Vargas. Para ele, não há transparência no uso dos dados coletados

comentários

Dados do Caged de dezembro de 2016 mostram diminuição no ritmo das demissões. Para Guilherme Afif, do Sebrae, o pequeno empresário é mais dependente da mão de obra, por isso só demite em último caso

comentários