Economia

Expansão da América Latina vai depender de Brasil e Argentina


Situação fiscal da maioria dos países da região é ruim, segundo relatório do Banco Mundial


  Por Estadão Conteúdo 12 de Outubro de 2017 às 09:10

  | Agência de notícias do Grupo Estado


Depois de uma desaceleração de seis anos e uma contração econômica de 1,3% em 2016, a América Latina e o Caribe voltarão a crescer a partir deste ano, puxados pela expansão da Argentina e do Brasil, previu relatório sobre a região divulgado ontem pelo Banco Mundial. Mas a fragilidade fiscal continua a ser a principal debilidade da região, com déficits em quase todos os países, o que demanda programas de ajuste.

Usando projeções do mercado, a instituição espera aumento do PIB de 1,2% em 2017 e de 2,3% em 2018. O estudo diz que o movimento será impulsionado pela "robusta recuperação" nos dois principais sócios do Mercosul. O Brasil deverá registrar expansão de 0,6% neste ano e de 2,3% no próximo. Na Argentina, os índices esperados são de 2,8% e 3,0%, respectivamente.

A frágil situação fiscal da maioria dos países é o principal risco do ponto de vista macroeconômico, disse o relatório. Dos 32 países analisados, 28 terão um balanço negativo em 2017. Na América do Sul, o déficit fiscal médio será de 6% do PIB, depois de um crescimento de 5,1 pontos porcentuais de 2011 a 2017. No Brasil, o déficit deve ficar pouco acima de 8% do PIB, segundo as projeções do Banco Mundial. O índice esperado para México, América Central e Caribe é de 1,5%.

O desequilíbrio levou ao aumento da dívida pública na maioria dos países, para uma média de 59% do PIB. Com um índice de quase 80%, o Brasil está entre os 16 países que superam esse patamar. Na avaliação da instituição multilateral, o País precisará de um ajuste fiscal equivalente a 7% do PIB para estabilizar a trajetória da dívida, o terceiro maior porcentual, atrás apenas de Trinidad e Tobago e Equador. Mas o economista-chefe da instituição para região, Carlos Vegh, ressaltou que é necessário gradualismo nesse processo, em razão do baixo nível de crescimento da região. "Não é preciso um choque."

Na avaliação do Banco Mundial, fatores externos, como o preço de commodities, terão impacto "neutro" sobre a evolução do PIB, o que demandará o fortalecimento de fontes domésticas de crescimento. "Reformas no mercado de trabalho e educação, mais gastos em infraestrutura e o enfrentamento da situação fiscal serão chave." 

BRASIL

A Comissão Econômica para América Latina e Caribe (Cepal) prevê agora que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil deve avançar 0,7% este ano. O número representa uma melhora em relação ao indicado pela instituição anteriormente, que era de crescimento de 0,4%.

O Brasil tem o sexto pior desempenho da região em 2017, empatado com o Equador e atrás de países como a Venezuela (-8%), Cuba (+0,5%) e Suriname (-0,2%), de acordo com estudo divulgado nesta quinta-feira, 12. Para 2018, o Brasil deve ter um crescimento mais robusto de 2%, segundo a Cepal, o que melhora a posição do País entre os demais, para o oitavo entre os piores, empatado com Haiti e Dominica.

De uma forma geral, a Cepal revisou as projeções de crescimento econômico para a região neste ano e espera uma expansão média de 1,2% na América Latina e no Caribe neste ano, ligeiramente maior do que a previsto anteriormente.

IMAGEM: Thinkstock