São Paulo, 28 de Setembro de 2016

/ Economia

Da salada ao cafezinho: brasileiro gasta R$ 27,36 por dia para almoçar fora
Imprimir

Pesquisa Preço Médio 2015, realizada pelo Datafolha, aponta que, em um mês, o brasileiro chega a gastar R$ 601,92 comendo fora

Um almoço, uma bebida não alcoólica, uma sobremesa e um cafezinho. Essa rotina na vida da maioria dos trabalhadores brasileiros tem custado, em média, R$ 27,36 ao dia. Esse é um dos resultados da pesquisa "Preço Médio 2015", feita pelo Instituto Datafolha e encomendada pela Associação das Empresas de Refeição e Alimentação Convênio para o Trabalho (Assert). No fim do mês, o gasto pode chegar a R$ 601,92 – o equivalente a 76,4% do salário mínimo nacional. 

A média é inferior aos R$ 30,14 apresentados na pesquisa de 2014, mas não se iluda com uma possível deflação da alimentação fora de casa. O que houve foi uma mudança metodológica – a partir deste ano, será feita uma média ponderada dos preços, na qual é levada em conta a proporção de pratos comerciais e self-service em relação aos pratos executivos e à la carte. Com isso, a média acaba ficando menor, já que a preferência nacional é pelos dois primeiros. 

De fato, o que houve foi um aumento de preços. Na metodologia anterior, a média de preço de um almoço completo em São Paulo ficaria em torno de R$ 38, 12,9% mais caro que no ano passado. No Rio de Janeiro, a refeição do meio-dia sairia, em média, R$ 39,47, 6,21% mais salgada.

Nesta pesquisa, a Assert também traz o Preço de Refeição Mínima, já que, para muitos, o cafezinho e a bebida são um luxo. O prato comercial e uma fruta – ou salada de frutas – custam, em média, R$ 19,62. 

SUDESTE TEM A REFEIÇÃO MAIS CARA 

Entre as regiões do país, o Sudeste é onde o trabalhador mais gasta para almoçar diariamente: R$ 27,76, em média. Em seguida aparecem Nordeste (R$ 26,98), Norte (R$ 26,11) e Centro-Oeste (R$ 26,09). A região Sul é onde o brasileiro desembolsa o menor valor para comer: R$ 25,70 por dia. 

Entre as cidades pesquisadas, Florianópolis (SC) apresentou o maior tíquete médio diário (R$ 39,96), seguida pelo Rio de Janeiro (R$ 33,66). Na capital paulista, o trabalhador gasta R$ 27,89. O menor valor é desembolsado em Uberlândia, Minas Gerais: R$ 20,61.

A pesquisa da Assert mostra que os itens que vão à mesa do brasileiro variam entre as regiões, mas a combinação arroz com feijão segue como preferência nacional. O levantamento traz a percepção de um grande aumento da demanda por frutas (59%), legumes e verduras (68%) e sucos naturais (70%). 

Ao todo, 5.118 estabelecimentos foram avaliados de 25 de novembro a 18 de dezembro de 2014. A pesquisa foi realizada com nova metodologia, por isso não foi possível comparar as variações de preços entre um ano e outro.

* Com Estadão Conteúdo

 



É o que prevê a FGV para setembro ao revisar para baixo o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) da Fundação Getulio Vargas (FGV)

comentários

De acordo com estudo, a crise reforçou a busca por promoções, e há mais facilidades de encontrar preços baixos pela internet

comentários

Quase a metade do total arrecadado pela União, pelos estados e pelos municípios veio do consumo de bens e de serviços, segundo a Receita Federal

comentários