São Paulo, 24 de Março de 2017

/ Economia

Crise mudou comportamento de compras dos brasileiros
Imprimir

Consumidores passaram a pesquisar mais em diferentes varejistas e reduziram as visitas a todas as formas de entretenimento, de acordo com PwC

As compras de 43% dos brasileiros durante a crise se restringiram a itens de primeira necessidade como comida, bebidas e gastos com saúde, de acordo com estudo da PwC. 

Uma pesquisa feita com 1016 entrevistados mostra que a restrição do consumo foi uma das medidas que mais pessoas afirmam ter adotado para enfrentar o cenário iniciado no segundo semestre de 2014.

Além disso, os consumidores passaram a pesquisar mais em diferentes varejistas, algo comum a 63% das pessoas. Uma parcela de 49% optou por reduzir as visitas a restaurantes, bares e outras formas de entretenimento.

Para o sócio da PwC, Ricardo Neves, os números mostram que o consumidor fez esforços para aproveitar oportunidades de compra a preço mais baixo, mas, ao final, teve que de fato diminuir suas compras.

A pesquisa detectou ainda que parte das mudanças de comportamento adotadas na crise não devem se reverter imediatamente.

Apenas um terço dos entrevistados diz que, num cenário de melhora da economia, estará propenso, por exemplo, a aumentar gastos com produtos de moda. Para 41% das pessoas, a manutenção de comportamentos atuais de poupar dinheiro vão permanecer depois da crise.

Para Neves, a observação do cenário de consumo em outros países sugere que os hábitos adquiridos durante um período de crise tendem a se perpetuar por mais tempo. Marcas que ganham relevância num momento assim também tendem a se manter mesmo depois que a economia melhora, diz o executivo.

*FOTO: Thinkstock



De acordo com o Ipea, é o segundo resultado mensal positivo seguido, depois de um longo período de quedas

comentários

Mesmo após a melhora da economia, 41% dos consumidores dizem que vão manter a frugalidade nas compras e poupar, revela estudo da consultoria PwC

comentários

A dúvida, segundo o governo, é a velocidade da recuperação, que dependerá de reformas, como as da Previdência e do Trabalho

comentários