São Paulo, 10 de Dezembro de 2016

/ Economia

Caminhoneiros ainda bloqueiam 57 pontos em rodovias do Brasil
Imprimir

Na tarde deste sábado, 28, os manifestantes bloquearam por quase uma hora a Rodovia Presidente Dutra, principal ligação entre São Paulo e o Rio de Janeiro, na altura do km 228. O congestionamento se estendeu à Marginal Tietê, na capital

O número de pontos de bloqueio de caminhoneiros no País aumentou de 45, na manhã de hoje, para 57, às 15 horas deste sábado, com o surgimento de paralisações em mais dois Estados: Rio de Janeiro e Maranhão. Na tarde hoje, eram seis Estados com problemas (RS, SC, PR, RJ, MA e MT), contra cinco, pela manhã, conforme dados oficiais.

No Rio Grande Sul, onde o movimento está mais concentrado, a categoria não só não recuou, como ampliou de 22 para 28 os locais com impedimento à passagem de outros caminhões que transportam cargas. No boletim das 15 horas, a situação era de 5 pontos de paralisação em Mato Grosso, 10 no Paraná, 12 em Santa Catarina, 28 no Rio Grande do Sul, um no Maranhão e um no Rio de Janeiro.

Apesar da evolução dos números, o governo continua apostando que a paralisação está concentrada no sul do País, mas que está cedendo, comparando o mesmo horário de ontem com o de hoje. Na sexta-feira às 14h30, eram 58 pontos de bloqueio em cinco Estados. Hoje são 57, em seis Estados.

Na avaliação do Ministério da Justiça, eventualmente surgem pontos de bloqueio em Estados diferentes, como houve ontem em São Paulo e hoje, no Rio de Janeiro e Maranhão. Segundo o governo, esses bloqueios considerados esporádicos são logo dissipados.

Ontem, no entanto, o bloqueio na Via Dutra, em São Paulo, teve reflexos imensos no trânsito da capital.

SALA DE CRISE

Na sala de crise do Ministério da Justiça, onde está sendo feito o monitoramento das estradas do País, houve mais um registro de incidente na tarde deste sábado, desta vez no Paraná. Em Astorga, um motorista ao tentar furar o bloqueio sofreu tentativa de incêndio em seu caminhão. Um manifestante foi preso no protesto. Era Júlio César Pereira, de 49 anos e que está detido na delegacia de Apucarana, já que existia um mandado de prisão aberto contra ele por roubo de cargas.

Um caminhoneiro foi morto em São Sepé, no Rio Grande do Sul, ao tentar interceptar um caminhão-baú que furou o bloqueio na BR-392, entre a cidade e Caçapava do Sul, na região central do Estado. A vítima foi identificada como Cléber Adriano Ouriques, 38 anos. Um tumulto envolvendo caminhoneiros e agentes da Polícia Rodoviária Federal se formou no local do incidente

Apesar da ação da Força Nacional e do risco de multas, os caminhoneiros prometem manter os bloqueios de rodovias por todo o País no fim de semana. A categoria protesta contra o aumento no diesel e quer reajuste na tabela de fretes. Hoje à tarde, os manifestantes bloquearam por quase uma hora a Rodovia Presidente Dutra, principal ligação entre São Paulo e o Rio de Janeiro, na altura do km 228. O congestionamento se estendeu à Marginal Tietê, na capital.

Ainda pela manhã, os bloqueios causavam 59 interdições em sete Estados. À tarde, além de São Paulo, voltou a ocorrer interdição de rodovias na Bahia. Para evitar um bloqueio de caminhoneiros, a assessoria da presidente Dilma Rousseff modificou o trajeto de uma visita ao Rio Grande do Sul e usou helicóptero para ir de Pelotas a Santa Vitória do Palmar para a inauguração de um parque eólico.

FORÇA NACIONAL

De manhã, a Força Nacional e a tropa de choque da Polícia Rodoviária Federal (PRF) desbloquearam a BR-101, ocupada pelos manifestantes. Os policiais usaram bombas de efeito moral para cumprir determinação judicial de desocupação. Vários caminhões foram danificados pelos próprios manifestantes para que não pudessem ser retirados da rodovia. À tarde, havia 70 pontos de bloqueio, a maioria em rodovias estaduais, ainda não atingidas pelas ordens de restrição da Justiça.

Em Mato Grosso, houve confronto entre manifestantes e caminhoneiros contrários ao bloqueio na BR-163, em Nova Mutum, onde a pista voltou a ser bloqueada. Cargas de soja foram espalhadas pela rodovia. A Justiça Federal determinou o desbloqueio das estradas, mas os caminhoneiros afirmam que vão manter o protesto.

Na Bahia, caminhoneiros voltaram a interditar o trecho da BR-242 entre Luís Eduardo Magalhães, no extremo oeste, e a divisa com Tocantins. As duas pistas ficaram fechadas depois que os manifestantes atearam fogo a pneus e galhos. Segundo a Polícia Rodoviária Federal, o tráfego voltou a ser liberado no início da tarde.

Durante a manifestação, integrantes de uma equipe da TV Oeste, da Rede Bahia, afiliada da Rede Globo, foram hostilizados - o repórter Muller Nunes chegou a ser agredido, com chutes, por um homem - e o carro no qual viajavam teve os pneus rasgados. O ato motivou notas de repúdio da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) e da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert).

Em Santa Catarina, a greve avançou em mais regiões no décimo dia de protestos, com a intensificação de bloqueios no Vale do Itajaí. Desde a madrugada, manifestantes impediam a saída e entrada de cargas nos portos de Itajaí e Navegantes.

No interior de São Paulo, caminhoneiros bloquearam a Raposo Tavares, rodovia que dá acesso a Mato Grosso do Sul, na altura de Presidente Prudente. O protesto durou quatro horas - os manifestantes foram retirados pela Polícia Rodoviária Estadual com apoio de um helicóptero da Polícia Militar. Outras três rodovias - SP-294, SP-425 e SP-501 - tiveram bloqueios parciais. Cerca de 500 caminhões permaneciam em pátios e acostamentos, prometendo novos bloqueios no fim de semana.



Nos próximos três dias, não serão realizadas análise de processos de cobrança, restituição e compensação, orientação aos contribuintes entre outros

comentários

Insatisfeitos com a perda de status do órgão "xerife" do governo, funcionários decidem paralisação na segunda-feira

comentários

A demora na aprovação do Orçamento federal, combinada ao aperto fiscal proposto pelo Ministério da Fazenda, paralisou obras, atrasou repasses de programas sociais e reduziu o crédito para a sociedade

comentários