São Paulo, 23 de Maio de 2017

/ Economia

Atividade econômica cai 0,84% e a inflação sobe 0,99%
Imprimir

O IBC- Br indica que a economia está em profunda recessão, afirma professor da PUC.

Duas más notícias para a economia brasileira nesta sexta (19/6): a prévia da inflação de junho subiu mais ainda e a atividade econômica continua descendo a ladeira.

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) registrou queda de 0,84% em abril em relação ao mês anterior – a segunda baixa mensal consecutiva. Os dados reúnem informações sobre o nível de atividade da indústria, comércio e serviços e agropecuária. 

Com esse resultado, o índice atingiu em abril o nível mais baixo desde maio de 2012 na série com ajustes sazonais.O resultado de março foi revisto para uma queda de 1,51%, na margem com ajuste, o dado anterior era de baixa de 1,07%. 

Para José Márcio Camargo, professor da PUC-RJ e economista-chefe da Opus Gestão de Recursos, o resultado indica que a economia "está em profunda recessão" e o Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre deve registrar uma queda de 1,5%. 

Na avaliação do professor, há um conjunto de fatos que determinam o recuo expressivo da demanda agregada na primeira metade do ano, como a inflação acima de 8% ao ano, a queda de investimentos, a retração da produção industrial e a deterioração do mercado de trabalho, com impactos na renda dos assalariados.

"Neste contexto, a Receita Bruta de Serviços em abril caiu 6% ante março em termos reais, o que é também um resultado bem ruim", afirma  Camargo. 

INFLAÇÃO

Outro número divulgado nesta sexta foi o aumento de 0,99% no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) em junho, que é uma prévia da inflação do mês. Essa foi a maior variação para o mês desde 1996, quando a alta foi de 1,11%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Com o resultado, o índice atingiu uma alta de 6,28% no ano, a mais intensa para o período desde 2003 (7,75%). Além disso, o avanço em 12 meses chegou a 8,80%, o maior patamar desde dezembro de 2003, quando foi de 9,86%.

Marcio Milan, analista de inflação da Tendências Consultoria Integrada, afirmou que a alta surpreendeu bastante e pode até fazer com que a consultoria revise o indicador fechado do mês, até agora em alta de 0,70%. 

Segundo ele, o IPCA-15 de junho foi puxado pelas altas intensas nos itens de Transportes e Despesas Pessoais. No primeiro, a alta foi de 0,85%  - ante recuo de 0,45% em maio. A alta expressiva das passagens aéreas, de 29,54%, "reverteu todas as quedas ocorridas nos indicadores passados", afirmou Milan. 

Já o item Despesas Pessoais foi puxado pelos reajustes das loterias, de 37,77%. "A expectativa é que esse indicador desacelere para o resultado fechado de junho", disse Milan.

Por outro lado, segundo o analista, a alimentação fora do domicílio segue desacelerando, de 0,77% no IPCA-15 de maio para 0,67% no indicador de junho, e pode contribuir para segurar a inflação no IPCA fechado.



As quedas podem abrir espaço para uma redução ainda mais intensa da taxa básica de juros por parte do Banco Central

comentários

Henrique Meirelles afirmou que desaceleração no IPCA indica melhora da confiança dos agentes econômicos e, consequentemente, um ajuste da economia

comentários

Boletim do Banco Central também reduziu, pela nona vez seguida, a projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2017

comentários