São Paulo, 26 de Abril de 2017

/ Brasil

Temer diz que a inflação deve cair mais neste ano
Imprimir

Para ele, a política adotada pelo governo está no caminho certo

O presidente da República, Michel Temer, comemorou o fato de a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ter ficado em 6,29% no ano passado, abaixo do teto da meta.

Para dele, isso mostra que a política adotada pelo governo está no caminho certo e tem dado resultados positivos.

"Hoje temos uma boa notícia sobre a inflação oficial", afirmou Temer, em discurso na abertura de uma reunião sobre infraestrutura. "Ninguém esperava, no fim do ano, que se chegasse abaixo da meta estabelecida."

Temer destacou ainda que as projeções para 2017 são de uma inflação mais baixa que a do ano passado.

"A projeção para este ano é de uma redução ainda maior da inflação, para ficar, na verdade, no centro da meta. Penso que isso seja uma boa notícia que eu quero compartilhar com os colegas, amigos e ministros do setor de infraestrutura do governo. Temos cumprido tudo aquilo que temos projetado."

LEIA MAIS: Brasil crescerá menos que outros emergentes em 2017

OBRAS

O presidente disse que o governo pretende retomar obras inacabadas, principalmente com pagamento remanescente em valores entre R$ 500 mil e R$ 10 milhões.

"Mas vamos tratar de outras obras que ainda possam seguir adiante, além daquelas que já têm sequência natural", disse.

CONSOLIDAÇÃO

Temer disse que o ano de 2017 será fundamental para consolidar as políticas adotadas pelo governo no segundo semestre do ano passado. Entre as medidas citadas, ele mencionou o teto de gastos para o setor público, a reforma da previdência, a reforma trabalhista e a reforma do Ensino Médio.

"Nos primeiros momentos, quando aqui chegamos, a sensação era de que isso levaria uns dois anos para serem completados. Muito bem. Em seis meses, contando a efetividade e a interinidade, nós levamos adiante todas elas", afirmou.

O presidente destacou que as medidas foram apresentadas em meio a momentos "razoavelmente tumultuados", com uma oposição "legítima e aguerrida".

"Naturalmente isso poderia nos impedir de fazer, e ao contrário, o que nós levamos adiante foi exatamente fazer", disse.

Temer disse ainda que todas as medidas do governo podem ser alvo de críticas da imprensa. "Muitas e muitas vezes a crítica corrige rumos. Temos essa concepção democrática fundamental para levar o governo adiante."

Sobre a proposta de reforma trabalhista, Temer disse que haverá um longo debate no Congresso Nacional.

"Aqui vai uma marca do governo, a marca do diálogo. Nós conseguimos harmonizar, ainda que minimamente, as relações entre empregados e empregadores", afirmou.

"Penso que ela tramitará com maior facilidade. Claro que haverá ainda objeções e eventuais alterações, e isso cabe ao Congresso Nacional."

O presidente destacou ainda a liberação de recursos de contas inativas do FGTS e a redução dos juros do crédito rotativo do cartão de crédito. "Isso pode injetar muitos bilhões de reais na economia", afirmou.

"Tivemos logo a compreensão, pelo diálogo, com aqueles que mantêm os cartões de crédito, e com isso o chamado crédito rotativo está sendo reduzido a menos da metade dos 480% de juros. Isso é mais um dado que teve grande e boa receptividade."

Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil



Governo e fabricantes de veículos se reuniram nesta terça-feira, 25/04, para tratar da nova política para o setor automotivo

comentários

De acordo com a pesquisa da FGV, a proporção de consumidores prevendo uma inflação abaixo da meta do governo cresceu entre março e abril

comentários

Aqueles que tiverem mandato na Câmara irão reforçar os votos favoráveis à proposta, que encontra resistência no Congresso

comentários