São Paulo, 24 de Julho de 2017

/ Brasil

Pioneiro do agronegócio, Olacyr de Moraes morre aos 84 anos
Imprimir

Conhecido como o “rei da soja”, criou mais de 40 empresas e foi o primeiro brasileiro a acumular fortuna acima de US$ 1 bilhão

O empresário Olacyr de Moraes morreu aos 84 anos nesta terça-feira, dia 16, em São Paulo. Pioneiro na pesquisa e produção de soja e na ocupação agrícola da região Centro-Oeste, ficou conhecido como “O Rei da Soja” e chegou a ser o maior produtor mundial do grão. 

Também teve um importante papel no desenvolvimento do agronegócio brasileiro, ajudando a colocar o país na liderança mundial de produção de grãos. Além de produtor, se destacava pelo financiamento de pesquisa genético, tendo contribuído para o desenvolvimento de culturas como o algodão e a cana de açúcar adaptadas às condições do solo do país. 

O espírito empreendedor do empresário o levou a ter mais de 40 empresas nos setores de construção civil, agrícola, energia, financeira e de mineração. Ganhou notoriedade durante os anos 1980 e 1990, quando se tornou um dos primeiros brasileiros a figurar na lista da Forbes dos homens mais ricos do mundo. Na época, ficou conhecido como uma das personalidades favoritas das colunas sociais.

Entre as empresas que fundou estão a Itamaraty Agropecuária, o Banco Itamaraty e a empreiteira Constran. Paulista de Itápolis, teve a fortuna afetada durante a construção da Ferronorte, um ambicioso projeto ferroviário liderado por ele para ligar o Centro-Oeste ao litoral. Ele atribuía o fracasso do empreendimento à falta de apoio do governo federal.

Nos últimos anos, seu grupo empresarial era formado principalmente por jazidas de minérios raros na Bahia, Piauí e São Paulo. O empresário tratava de um câncer de pâncreas descoberto no início de 2014. 

Foto: Estadão Conteúdo/ Denise Andrade 



Lavanderias, lava jatos, salões de beleza, restaurantes, hotéis e padarias são bons exemplos de atividades que podem ser impactadas

comentários

No acumulado do primeiro semestre foram abertos 67.358 postos de trabalho com carteira assinada segundo o Caged. Para Alencar Burti, presidente da ACSP, reforma trabalhista vai acelerar contratações

comentários

Somente o setor de serviço empregou, em 2015, um total de 2,6 milhões de trabalhadores entre 50 e 64 anos

comentários