São Paulo, 26 de Maio de 2017

/ Brasil

Na guerra do impeachment, Dilma polariza com Temer
Imprimir

Planalto divulga carta confidencial do vice-presidente e prejudica a tática que apontava Eduardo Cunha como o arquiteto do afastamento da presidente

Aconteceu mais uma vez. Dilma Rousseff tem o hábito de atravessar a rua para escorregar na casca de banana que deixaram cair na calçada do lado oposto.

Ao divulgar na noite de segunda-feira (07/12) a carta pessoal e redigida em termos duros que lhe fora enviada por Michel Temer, o Planalto acelera a ruptura com o vice-presidente e reforça o arsenal dos partidários do impeachment.

A divulgação da carta, obtida pelo jornalista Jorge Moreno, de O Globo, teve outros desdobramentos. Revelou o quanto estão desgastadas as relações entre Dilma e seu vice, que é o mais óbvio interessado no afastamento da presidente, já que poderá substituí-la na chefia do Executivo.

Temer se queixou de ser um “vice decorativo”, “menosprezado” por Dilma, que há cinco anos não confia nele e nem em seu partido, o PMDB, do qual é o presidente nacional.

O Planalto tem razões de sobra para acreditar que o vice tem um acordo com Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara dos Deputados, para que o impeachment saia vitorioso no Congresso.

As coisas se complicam porque nesta terça, em princípio, a Câmara deve definir os integrantes da comissão que analisará a petição contra a presidente, encaminhada a Cunha pelos juristas Miguel Reale Junior, Hélio Bicudo e Janaína Paschoal.

O Planalto sabe que um voto favorável ao impeachment na comissão funcionaria como uma bola de neve, a partir da qual o processo seria dificilmente bloqueado. A questão iria ao plenário e, em seguida, chegaria com um carimbo definitivo ao Senado.

Jaques Wagner, o chefe da Casa Civil, articula para que o PMDB, como fiel da balança, indique componentes favoráveis a Dilma. Conta, para tanto, com a cumplicidade do líder da bancada, Leonardo Picciani (RJ), que já nesta segunda fez declarações agressivas a Temer, acusando-o de querer “dividir” os deputados do partido.

Mas peemedebistas provavelmente próximos a Temer protocolaram, com as bancadas da oposição, uma chapa alternativa de deputados que integrariam a comissão. A chapa patrocinada pelo Planalto tem chances maiores de ser a escolhida pelo plenário, em votação marcada para as 17h desta terça-feira.

Com a virtual ruptura entre Temer e a presidente nos jornais, o Planalto indiretamente congela o plano que consistia em forçar na opinião pública à polarização entre Dilma e Cunha.

Ou os cidadãos ficavam do lado dela (“nunca tive contas na Suíça”) ou do lado dele, que está encrencado na Operação Lava Jato e em dificuldades para salvar seu mandato na Comissão de Ética da Câmara.

Essa configuração do embate era amplamente favorável à presidente, já que o plano dela e do Partido dos Trabalhadores era o de também esvaziar as manifestações pró-impeachment marcadas para o dia 13 de dezembro. Quem fosse às ruas estaria, de certo modo, colocando-se ao lado de Cunha.

A narrativa maliciosa consistia também em pressupor que foi Cunha quem “inventou” o impeachment, quando, em verdade, ele foi apenas o canal institucional para que tramitasse o período dos três juristas de São Paulo, encabeçados por Reale Junior e Bicudo.

O fortalecimento de Temer e Cunha desencadeia como fator secundário a tese de que o Congresso Nacional deve entrar em recesso no próximo dia 23, voltando a se reunir apenas no começo de fevereiro.

É justamente o que não querem Dilma, o PT e o ex-presidente Lula. Ao pedirem uma definição rápida em torno do impeachment, o governo e os governistas não querem dar tempo para que o chamado “ronco das ruas” intervenha no processo.

Os partidos de oposição, como o DEM, o PSDB e o PPS, assim como os ativistas do movimento Vem Pra Rua, desejam que a imagem de Dilma se deteriore ainda mais durante o recesso de janeiro. Todos lembram, por exemplo, que em maio e em agosto deste ano o PT e o governo malograram ao tentar organizar manifestações mais numerosas que as favoráveis ao impeachment.

Outro fator que favorece a oposição estaria nas sempre imprevisíveis revelações da Operação Lava Jato. Nesta terça, o Radar Online, da revista Veja, revelou que o ainda senador Delcídio do Amaral (PT-MS), preso há 13 dias, está negociando delação premiada. Por ter sido líder do governo no Senado e pelo trânsito que teve na Presidência, Delcídio é hoje o mais importante "homem-bomba" do mundo petista. 

As redes sociais estão em ebulição, com partidários e adversários de Dilma se enfrentando num patamar inédito de agressividade. O país está a uma distância incalculável do que ocorreu em 1992, quando do impeachment do presidente Fernando Collor, quando tudo corria segundo uma quase unanimidade.

 



Governo determina reforço de tropas federais para proteger Esplanada

comentários

A avaliação é que há ainda uma base política relevante para dar continuidade à agenda, mesmo que isso signifique atrasar a votação, como já indicou Henrique Meirelles, ministro da Fazenda

comentários

O novo cálculo leva em consideração a previsão de alta na arrecadação previdenciária e receitas que devem vir com as concessões de infraestrutura

comentários