São Paulo, 09 de Dezembro de 2016

/ Brasil

Maioria apoia protestos, impeachment e está pessimista com a economia
Imprimir

Levantamento do Datafolha divulgado neste sábado confirma desaprovação ao governo Dilma e, pela primeira vez, coloca a corrupção como principal problema do país, ao lado da saúde

Na véspera das novas manifestações contra o governo, programadas para este domingo (12) em todo o país, uma pesquisa divulgada pelo instituto Datafolha revela que o mau humor da população em relação à presidente Dilma Rousseff se mantém praticamente inalterado.

Para 60% dos 2.834 brasileiros entrevistados em 171 municípios, a atual administração é ruim ou péssima –apenas dois pontos a menos que no levantamento anterior. Do total, 13% classificam a atuação como boa ou ótima, o mesmo percentual da pesquisa realizada no mês passado.

As expectativas pessimistas com a economia também se mantêm estáveis.A inflação deverá crescer para 78 de cada cem entrevistados, assim como o desemprego (70%) e uma deterioração da situação econômica (70%).

O apoio dos brasileiros às manifestações de protesto contra o governo é elevado (75%) e quase dois terços dos entrevistados são favoráveis à abertura de um processo de impeachment contra a presidente.

Para 57% dos entrevistados, Dilma tinha conhecimento da existência de corrupção na Petrobras e nada fez para impedir. Outros 26% disseram que ela sabia, mas nada poderia fazer.

 É interessante notar, porém, que 64% não acreditam que ela seria afastada ante 29% dos que afirmam acreditar nesta hipótese.

O Datafolha fez ainda uma constatação sem precedentes em pesquisas anteriores: ao serem indagados sobre suas principais preocupações a respeito das questões nacionais, a proporção dos que citaram a corrupção praticamente coincidiu com aqueles que apontaram a saúde.



Os bancos são os que concentram a maior parte das dívidas, seguidos pelo comércio, comunicação e água e luz

comentários

Pesquisa mostra que recursos aplicados pelas empresas nessa área ainda se encontram em patamares baixos

comentários

É o que mostra um indicador do Ipea. Recuo de 2,6% indica continuidade do quadro recessivo no quarto trimestre de 2016

comentários