São Paulo, 01 de Outubro de 2016

/ Brasil

Governo anuncia R$ 198 bilhões para obras de infraestrutura
Imprimir

Pacote anunciado nesta terça-feira, 9, retoma concessões anunciadas em 2012, mas que não foram efetivadas. A expectativa é que grande parte das concessões interesse a investidores estrangeiros e pequenas e médias empresas nacionais da construção civil

O governo federal anunciou nesta terça-feira, 9, um pacote de investimentos em infraestrutura envolvendo R$ 198,4 bilhões. A aplicação do recurso será feita por meio de concessões à iniciativa privada, já a partir deste ano. Entre 2015 e 2018 a estimativa é que sejam investidos R$ 69,2 bilhões. Os R$ 129,2 bilhões restantes serão aplicados a partir de 2019.

As ferrovias irão receber o maior volume de recurso, totalizando 86,4 bilhões. Os investimentos neste modal foram distribuídos em seis blocos. O Mais significativo é a chamada Ferrovia Bioceânica, que ligará o Brasil ao Peru, e terá aporte de R$ 40 bilhões. 

Os trechos da Ferrovia Norte-Sul ligando Palmas (TO) a Anápolis (GO) e Barbacena (PA) a Açailândia (MA) receberão R$ 7,8 bilhões. O trecho entre Anápolis (GO), Estrela D´Oeste (SP) e Três Lagoas (MG), R$ 4,9 bilhões.

As concessões de ferrovias ainda prevêem investimentos de R$ 9,9 bilhões para o trecho entre Lucas do Rio Verde (MT) e Miritituba (PA); R$ 7,8 bilhões para o trecho entre o Rio e Vitória e outros R$ 16 bilhões em concessões já existentes.

Para Rodovias estão previstos cinco leilões em 2015, no valor de R$ 19,6 bilhões, e outros 11 leilões de concessão para 2016, com investimentos previstos no valor de R$ 31,2 bilhões. Foram anunciados ainda investimentos de R$ 15,3 bilhões em concessões de rodovias já existentes. O total de recurso previsto no pacote para este modal é de R$ 66,1 bilhões.
 
Os portos receberão R$ 37,4 bilhões, sendo R$ 11,9 bilhões em 50 novos arrendamentos, R$ 14,7 bilhões em 63 autorizações de Terminais de Uso Privado (Tup) e R$ 10,8 bilhões em 24 renovações antecipadas de arrendamento. 

O primeiro bloco de concessões para portos, cujo leilão está previsto para ser realizado ainda em 2015, contempla 29 novos terminais, sendo nove no Porto de Santos, e 20 no Estado do Pará. O segundo bloco tem leilão previsto para o primeiro semestre de 2016.

Para aeroportos foram anunciados investimentos de R$ 8,5 bilhões. O recurso é voltado para quatro grandes terminais, em Fortaleza (R$ 1,8 bilhão), Salvador (R$ 3 bilhões), Florianópolis (R$ 1,1 bilhão) e Porto Alegre (R$ 2,5 bilhões). Estão previstos ainda R$ 78 milhões para aeroportos regionais. 

Os leilões de aeroportos estão previstos para serem realizados no primeiro trimestre de 2016. 

INVESTIDORES

A expectativa é que grande parte das concessões interesse a investidores estrangeiros e pequenas e médias empresas nacionais da construção civil.  O perfil dos potenciais investidores está relacionado aos reflexos da Operação Lava Jato, que enfraqueceu ou inviabilizou a participação de grandes construtoras nacionais na nova rodada de negócios.

Nos últimos meses, integrantes da equipe econômica mantiveram contatos com investidores. A percepção é de que há grande demanda dos estrangeiros para os projetos, principalmente portos e aeroportos. Já o interesse das pequenas e médias construtoras brasileiras está concentrado nas rodovias.

Tecnicamente, porém, não há impedimento para que as grandes empreiteiras investigadas na Lava Jato participem do leilão.

A participação do BNDES nos financiamentos deve cair, mas técnicos do governo dizem que esse movimento será compensado por empréstimos de mercado, principalmente vindos do exterior. Há uma avaliação no mercado, segundo os técnicos, de que o Brasil está "barato" para investir.

RECICLAGEM

O pacote de investimentos anunciado nesta terça-feira repete aquele anunciado em 2012, mas com uma roupagem atual. Três anos atrás foram anunciados R$ 200 bilhões para destravar o país, mas apenas os investimentos em aeroportos foram considerados bem-sucedidos.

*Com Agências



Julio Callegari, diretor de renda fixa do J.P. Morgan, diz que o país sairá da recessão com a elevação dos investimentos, após as reformas necessárias na economia

comentários

Agora ele espera que o discurso se materialize na prática, de acordo com o presidente do Citi no Brasil, Hélio Magalhães

comentários

Mas alguns empresários americanos saíram frustrados do encontro com a falta de detalhes sobre a estruturação dos projetos e os efeitos das concessões feitas nos governos anteriores

comentários