Fazenda terá posição mais rigorosa para medidas antidumping


Marcello Estevão, secretário de Assuntos Internacionais, classifica como "escândalo" o Brasil ser líder mundial no uso dessa barreira


  Por Estadão Conteúdo 17 de Abril de 2017 às 14:17

  | Agência de notícias do Grupo Estado


O Ministério da Fazenda adotará uma posição mais rigorosa na aprovação de medidas antidumping, disse nesta segunda-feira (17/04), em Washington, o secretário de Assuntos Internacionais do órgão, Marcello Estevão.

Ele classificou de "escândalo" o fato de o Brasil ter sido líder mundial na imposição desse tipo de barreira no período 2013-2016.

"Por que precisamos de tantas medidas antidumping no Brasil? O que é tão especial em relação ao Brasil? Por que essa economia precisa de tantas barreiras não-tarifárias? Eu não vejo a razão", disse Estevão em evento no Brazil Institute do Wilson Center.

"Em alguns casos nós estamos falando em proteger setores específicos de produtores às custas de toda a população."

LEIA MAIS: Brasil só é mais aberto comercialmente do que Negéria e Sudão

Estevão disse que o Ministério da Fazenda vai rever com rigor cada solicitação de medidas antidumping para avaliar se elas são prejudiciais à economia. De acordo com ele, isso não acontece de "maneira consistente" atualmente.

O secretário afirmou que a postura mais estrita ainda não é uma política de todo o governo e lembrou que a Fazenda tem apenas um dos sete votos da Câmara de Comércio Exterior (Camex), o órgão responsável pela adoção de mecanismos de proteção comercial.

Mas ele ressaltou que a intenção da equipe econômica é mudar esse cenário. "Nós não vamos votar só porque todo mundo está votando em favor dessas medidas."

"Nós fomos o líder mundial na aplicação de medidas antidumping no período 2013-2016. Para alguém que vem para o Brasil depois de trabalhar 26 anos no exterior eu vejo isso como um escândalo", disse Estevão, que assumiu o cargo no fim do ano passado.

LEIA MAIS: Economia brasileira está menos protecionista, segundo a OMC

Foto: Thinkstock