São Paulo, 01 de Outubro de 2016

/ Brasil

Falta de vagas faz aumentar contingente de autônomos no país
Imprimir

Pesquisa do IBGE revela que 740 mil brasileiros perderam a condição de empregados e passaram a trabalhar por conta própria

O emprego tradicional, com carteira assinada e patrão, está perdendo terreno para formas mais precárias de ocupação. A falta de vagas no mercado de trabalho, que vem despontando com mais força neste ano, empurrou boa parcela dos brasileiros para os serviços por conta própria, normalmente mais voláteis, imprevisíveis e com menor remuneração.

Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do IBGE, mostram que, entre março do ano passado e março deste ano, 868 mil pessoas passaram a trabalhar por conta própria, ampliando para 21,773 milhões o contingente nessas condições.

Na contrapartida, 740 mil pessoas perderam a condição de empregados, restando um saldo de 46,1 milhões de trabalhadores no setor privado, com e sem carteira assinada.[Na foto acima, fila à entrada da tenda da Semana do Emprego e Trabalho em São Paulo]

Não fosse essa substituição, somada ao aumento de 359 mil empregados no período, o índice de desemprego no País, que chegou a 7,9% em março, teria ultrapassado os 9%, calcula o pesquisador da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe)  Eduardo Zylberstajn.

"Se todas as pessoas que optaram pelos serviços por conta própria estivessem procurando emprego, a taxa iria para 9,2%", diz Zylberstajn. Ele pondera que muitos podem ter escolhido esse tipo de trabalho mesmo sem terem sido demitidos, mas ressalta tratar-se, em sua maioria, de uma ocupação "mais volátil, imprevisível e que prejudica o rendimento familiar".

Por um lado, essa situação contribuiu para que o saldo da população ocupada no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período de 2014 continuasse positiva - cresceu 0,8%, para 92 milhões de pessoas. Por outro, traz mais instabilidade e reduz o índice de confiança dos consumidores.

"Normalmente, o trabalho autônomo é mais precário que o emprego. O fluxo de rendimento é menos previsível, há uma incapacidade de projetar o futuro, de comprovar renda e, portanto, de obter crédito. É uma regressão", afirma o pesquisador da Fipe.

"Esse movimento não é o empreendedorismo como conhecemos; é um espelho da perda de ritmo da formalização", diz Rafael Bacciotti  economista da Tendências Consultoria. "A pessoa sozinha ou com algum auxiliar começa um empreendimento como alternativa, já que o mercado de trabalho está muito ruim", observa.

LEIA MAIS: Desemprego cresce e atinge 7,9%

Para Zylberstajn, esse quadro "reforça a leitura de que o mercado de trabalho finalmente sentiu a desaceleração econômica que vem ocorrendo desde 2011". Em sua opinião, o ciclo de deterioração do emprego deve se manter por um tempo considerável. "Com certeza, antes de 2016 não sairemos dessa situação", prevê.

 



Sete em cada dez entrevistados não pagaram parcelas de empréstimos em dia, seguidos por inadimplentes em cartão de loja

comentários

Dados do Banco Mundial de 2015 mostram que o país tem índice de 20,84% de abertura comercial. Média mundial é de 45,19%

comentários

Projeção para a economia passou de queda de 1,7% do PIB do país para 0,30% em 2017, segundo a Organização para Cooperação e o Desenvolvimento Econômico

comentários