São Paulo, 02 de Dezembro de 2016

/ Brasil

Falta de vagas faz aumentar contingente de autônomos no país
Imprimir

Pesquisa do IBGE revela que 740 mil brasileiros perderam a condição de empregados e passaram a trabalhar por conta própria

O emprego tradicional, com carteira assinada e patrão, está perdendo terreno para formas mais precárias de ocupação. A falta de vagas no mercado de trabalho, que vem despontando com mais força neste ano, empurrou boa parcela dos brasileiros para os serviços por conta própria, normalmente mais voláteis, imprevisíveis e com menor remuneração.

Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do IBGE, mostram que, entre março do ano passado e março deste ano, 868 mil pessoas passaram a trabalhar por conta própria, ampliando para 21,773 milhões o contingente nessas condições.

Na contrapartida, 740 mil pessoas perderam a condição de empregados, restando um saldo de 46,1 milhões de trabalhadores no setor privado, com e sem carteira assinada.[Na foto acima, fila à entrada da tenda da Semana do Emprego e Trabalho em São Paulo]

Não fosse essa substituição, somada ao aumento de 359 mil empregados no período, o índice de desemprego no País, que chegou a 7,9% em março, teria ultrapassado os 9%, calcula o pesquisador da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe)  Eduardo Zylberstajn.

"Se todas as pessoas que optaram pelos serviços por conta própria estivessem procurando emprego, a taxa iria para 9,2%", diz Zylberstajn. Ele pondera que muitos podem ter escolhido esse tipo de trabalho mesmo sem terem sido demitidos, mas ressalta tratar-se, em sua maioria, de uma ocupação "mais volátil, imprevisível e que prejudica o rendimento familiar".

Por um lado, essa situação contribuiu para que o saldo da população ocupada no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período de 2014 continuasse positiva - cresceu 0,8%, para 92 milhões de pessoas. Por outro, traz mais instabilidade e reduz o índice de confiança dos consumidores.

"Normalmente, o trabalho autônomo é mais precário que o emprego. O fluxo de rendimento é menos previsível, há uma incapacidade de projetar o futuro, de comprovar renda e, portanto, de obter crédito. É uma regressão", afirma o pesquisador da Fipe.

"Esse movimento não é o empreendedorismo como conhecemos; é um espelho da perda de ritmo da formalização", diz Rafael Bacciotti  economista da Tendências Consultoria. "A pessoa sozinha ou com algum auxiliar começa um empreendimento como alternativa, já que o mercado de trabalho está muito ruim", observa.

LEIA MAIS: Desemprego cresce e atinge 7,9%

Para Zylberstajn, esse quadro "reforça a leitura de que o mercado de trabalho finalmente sentiu a desaceleração econômica que vem ocorrendo desde 2011". Em sua opinião, o ciclo de deterioração do emprego deve se manter por um tempo considerável. "Com certeza, antes de 2016 não sairemos dessa situação", prevê.

 



O país foi novamente superado por economias que recentemente passaram por forte crise como a Grécia, Ucrânia e Rússia, de acordo com levantamento de agência de risco

comentários

"Embora a região não tenha sido poupada da pior recessão da história moderna do Brasil, seus efeitos foram mais leves", observa a revista britânica, que aponta Florianópolis (foto) como um dos principais polos de startups

comentários

Citação apareceu duas vezes, para compra de reais e de ações, entre as seis principais sugestões feitas pelo banco aos seus clientes

comentários