São Paulo, 25 de Setembro de 2016

/ Brasil

Crise se espalha e coloca em risco conquistas da nova classe média
Imprimir

Especialistas mostram como a deterioração da economia, com aumento da inflação e do desemprego, pode corroer os sonhos dos 35 milhões de emergentes que saíram da linha de pobreza

Um dos méritos dos tempos de crescimento econômico e das políticas sociais do governo foi garantir que a chamada nova classe média pudesse olhar no longo prazo e planejar o futuro. Segundo especialistas em baixa renda, os 35 milhões de brasileiros que saíram da pobreza tiveram acesso não apenas ao iogurte e ao televisor de 42 polegadas.

Finalmente, puderam almejar o ensino superior, a casa própria em área com infraestrutura básica e assumir gastos fixos com serviços mais sofisticados - como a internet, que amplia a rede de amigos e as oportunidades de trabalho. Mas a recessão que ronda o país pode comprometer a escalada na pirâmide social.

Dois indicadores divulgados na semana passada sinalizaram uma tendência nefasta para essa parcela. De um lado, o IPCA, que mede a inflação oficial do país, passou de 8% no acumulado em 12 meses.

A taxa de desemprego da Pnad Contínua, que detalha o mercado de trabalho em 3,5 mil municípios, subiu para 7,4% no trimestre encerrado em fevereiro. Há um milhão a mais de desempregados. Ou seja, os números atestam a deterioração simultânea do emprego formal e do poder de compra.

"Ninguém duvida de que a fantástica ascensão da classe média vai dar uma brecada", diz Ricardo Paes de Barros, professor do Insper e pesquisador dedicado a temas como desigualdade social, educação, pobreza e mercado de trabalho. "A discussão agora é se a crise será grave o suficiente para reverter seus ganhos."

Como esse segmento da população está espalhado pelo país e atua nos mais diversos setores da economia, Paes de Barros acredita que a "brecada" não é homogênea. Neste momento, tende a ser sentida por moradores de grandes centros urbanos. "A parcela urbana é mais conectada à economia de mercado e, por isso, mais sensível às suas variações", diz.

O cenário, porém, é "preocupante", na avaliação de Luciana Aguiar, diretora da Plano CDE, empresa especializada em baixa renda.

"As despesas da casa, com aluguel e supermercado, consomem quase 40% da renda, sem incluir luz e água, que também aumentaram. O poder de compra caiu e, se perder o emprego formal, essa parte da população fica refém do curto prazo: volta a administrar a sobrevivência no dia a dia e esquece o futuro."

Segundo a economista Alessandra Ribeiro, da Tendência Consultoria, já é possível identificar arranhões na conquista mais preciosa - a carteira de trabalho assinada. Pela primeira vez desde a eclosão da crise internacional em 2008, as empresas fecham postos de trabalho. Em janeiro e fevereiro, o saldo (relação entre contratações e demissões) foi negativo, indicando extinção de vagas.

CAI CONSUMO DE ALIMENTOS BÁSICOS

O fim da euforia com o consumo está chegando ao prato do brasileiro. Após afetar as vendas de imóveis, carros e eletrônicos, agora a cautela nas compras bateu nos produtos do dia a dia do consumidor. As vendas de pão, macarrão, peixe enlatado e açúcar estão em queda. Até o iogurte, símbolo da prosperidade da classe C, não escapou do recuo na hora das compras.

Pesquisa de mercado feita pela consultoria Nielsen, especializada em consumo, mostra queda nas vendas de itens básicos dos supermercados, da farinha de trigo às massas e aos salgadinhos. Na média, as compras de alimentos ficaram praticamente estáveis, uma queda de 0,1% em relação ao início de 2014.

Mas o resultado é especialmente frustrante quando se leva em conta que o mercado estava acostumado a fortes altas nos últimos tempos. Em 2014, as vendas estavam crescendo 5,9% nesta época do ano. Para os especialistas, a alta da inflação e o medo do desemprego afetam a venda de alimentos.

"O desempenho da mercearia salgada (conjunto de alimentos industrializados básicos) no trimestre é o retrato fiel do que ocorreu com as vendas dos supermercados neste início de ano", diz Sabrina Balhes, analista da Nielsen. Ela destaca que, apesar de os preços terem recuado 2,6% em relação ao ano anterior, já descontada a inflação do período, os volumes de vendas não cresceram.

Até mesmo a venda de sorvete e refrigerante, que aumenta no verão, ficou praticamente estagnada este ano. E a venda de cerveja cresceu 2,7% no trimestre, ritmo bem menor que no mesmo período de 2014 (12,4%).

A freada já tem impacto na indústria. Em março, os fabricantes de alimentos acumularam estoques excessivos, aponta a Sondagem Conjuntural da Indústria de Transformação da Fundação Getulio Vargas. A piora nos estoques ocorreu especialmente em massas, laticínios, carnes e açúcar.

O encalhe fez a indústria reduzir o ritmo de produção e renegociar preços. Os fabricantes de cervejas cortaram em 4% a produção no 1º trimestre, segundo a Associação Brasileira da Indústria da Cerveja.

Na indústria de alimentos como um todo, o quadro não é diferente. Até fevereiro, o último dado disponível, a produção da indústria de alimentos cresceu em 12 meses 0,63% e o faturamento real (já descontada a inflação), 0,75%, de acordo com a Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (Abia).

"Fevereiro teve a menor taxa de expansão de vendas e de produção de alimentos desde a crise de 2009", diz Denis Ribeiro, diretor da Abia. Ao contrário de 2009, as dificuldades hoje ocorrem no mercado interno, que absorve 80% da produção.

Álvaro Furtado, presidente do Sincovaga, sindicato que representa 40 mil varejistas de alimentos no Estado de São Paulo, conta que os supermercados reduziram as compras da indústria a partir de fevereiro porque as vendas enfraqueceram no comércio.

LEIA MAIS: Marcas líderes perdem espaço nas prateleiras

Entenda por que o padrão de vida dos emergentes está em xeque
Desafio ao pequeno varejo: manter estoques mínimos e preços baixos

As confecções lançaram a coleção de inverno. Cadê os lojistas?



Projeção de economista do Ipea é que Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas do país) pare de cair no fim de 2016

comentários

Quase a metade do total arrecadado pela União, pelos estados e pelos municípios veio do consumo de bens e de serviços, segundo a Receita Federal

comentários

Levantamento da CNC revela alta de 4,1% na passagem de agosto para setembro, mas queda em relação a setembro de 2015 é ainda elevada

comentários