Confiança do consumidor é a mais baixa desde 2005


Índice Nacional de Confiança (INC) da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) recuou cinco pontos na passagem de junho (68 pontos) para julho (63)


  Por Redação DC 10 de Agosto de 2017 às 11:21

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


Foi o pior resultado da série histórica, que começou em 2005. Até então, o menor INC (64 pontos) havia sido registrado em abril do ano passado, mês do afastamento de Dilma Rousseff.

De acordo com Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), “as incertezas quanto à economia, à política e às reformas estruturais influenciaram negativamente a confiança dos consumidores brasileiros e dos agentes produtivos em julho”.

A expectativa, porém, é que esse impacto seja passageiro, pois a incerteza política passou e caminha-se para um cenário mais favorável nos próximos meses, a partir de ligeiros sinais de uma retomada que a economia já dá.

“O Banco Central tem cortado a taxa básica de juros e já acenou com novas reduções. O repasse dessas quedas para o consumidor já começou a aliviar a situação financeira dos brasileiros e estimulará a engrenagem da economia”.

Na visão de Burti, o alívio nos juros estimula o consumo porque permite alongamento dos prazos do crediário e gera um ambiente mais favorável para as compras.  

O INC varia entre zero e 200 pontos; o intervalo de zero a 100 é o campo do pessimismo e, de 100 a 200, o do otimismo.

A pesquisa foi conduzida pelo Instituto Ipsos entre os dias 1º e 14 de julho em todas as regiões brasileiras. A margem de erro é de três pontos.

Regiões

Todas as regiões apresentaram retração no INC em julho. A maior baixa ocorreu no Sul, que apresentou 13 pontos de diferença de junho (62) para julho (49), provavelmente devido às chuvas e às baixas temperaturas, afetando a agropecuária.

Mesmo em queda, o melhor resultado mostrou-se na região Nordeste, que perdeu dois pontos em junho (74) frente a julho (72). Empatadas com 63 pontos estão as regiões Norte/Centro Oeste, que perdeu sete pontos de um mês para o outro, e a Sudeste, que caiu três pontos.

Emprego

De acordo com um dos componentes do Índice Nacional de Confiança da ACSP, em julho, os brasileiros conheciam em média 5,27 pessoas que perderam o emprego.

Em junho, esse número foi de 5,02. “A ligeira alta pode sinalizar para um breque temporário na contratação de pessoal das empresas, pelas incertezas”, avalia Burti.

Classes

A classe C foi a mais confiante em julho (65 pontos), mesmo reduzindo quatro pontos sobre o mês anterior. Já a D/E (63) foi a que mais perdeu: com sete pontos a menos.

A classe menos confiante foi a A/B (mais bem informada), com queda de quatro pontos na passagem de junho (61) para julho (57).

O QUE É INC

Encomendado pela ACSP ao Instituto Ipsos desde 2005, o Índice Nacional de Confiança (INC) é elaborado a partir de entrevistas pessoais e domiciliares em todas as regiões brasileiras, com base em amostra probabilística e representativa da população brasileira de áreas urbanas de acordo com dados oficiais do IBGE (Censo 2010 e PNAD 2014).

Trata-se de uma medida da extensão de confiança e segurança do brasileiro quanto à sua situação financeira ao longo do tempo. Além de indicar a percepção do estado da economia para a população em geral, o índice visa a prever o comportamento do consumidor no mercado.

Veja a pesquisa na íntegra