São Paulo, 26 de Junho de 2017

/ Brasil

Brasileiros terminaram 2016 com mais medo do desemprego
Imprimir

O indicador que mede o receio de perder o trabalho cresceu 3,6 pontos no último trimestre do ano, chegando a 64,8 pontos. Em dezembro de 2015, o indicador estava em 61,2 pontos

Os brasileiros encerraram 2016 com mais medo de ficarem sem trabalho do que tinham ao fim de 2015, de acordo com pesquisa divulgada nesta sexta-feira (6/1), pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

O Índice de Medo do Desemprego cresceu 3,6 pontos no último trimestre do ano, chegando a 64,8 pontos. Em setembro do ano passado e em dezembro de 2015, o indicador estava em 61,2 pontos.

"O aumento no fim do ano compensou a queda verificada em setembro e fez com que o índice encerrasse o ano acima do verificado em dezembro de 2015, o que indica que o brasileiro permanece receoso em relação à situação no mercado de trabalho", avaliou a CNI no documento.

Já o Índice de Satisfação com a Vida ficou praticamente estável no último trimestre de 2016, com uma queda de 0,2 ponto em relação com setembro, passando de 67,0 pontos para 66,8 pontos. Em dezembro de 2015, esse indicador estava em 65,9 pontos.

Somente a região Sul registrou queda no Medo do Desemprego no ano passado, com recuo 5,4 pontos na comparação entre dezembro de 2015 e último mês de 2016. Foram os Estados do Sul que também apresentaram maior aumento na Satisfação com a Vida nesse período, com alta de 4,4 pontos.

Já a região Nordeste, no sentido inverso, registrou aumento de 11,3 pontos no Medo do Desemprego ao longo de 2016, com retração de 1,4 ponto na Satisfação com a Vida.

FOTO: Thinkstock



Índice subiu para 53,8 pontos, a primeira alta para no mês desde 2013, de acordo com a CNI. Por outro lado, emprego no setor teve queda

comentários

Apesar da constância, há uma preocupação acima da média com os preços, o emprego e a situação financeira

comentários

De acordo com a análise da CNI, com a queda de 1,8 ponto, o índice fica ainda mais distante do nível necessário para a recuperação da economia

comentários