São Paulo, 28 de Maio de 2017

/ Brasil

Brasileiro continua pessimista quanto aos rumos do país
Imprimir

A confiança do consumidor brasileiro, medida pela ACSP, registrou 66 pontos em abril, cinco a menos do que em março. Foi a quarta queda consecutiva

A confiança do consumidor brasileiro registrou 66 pontos em abril, cinco a menos do que em março, de acordo com o Índice Nacional de Confiança (INC), da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

Essa foi a quarta queda consecutiva do indicador em 2017. Há um ano, marcava 64 pontos. 

O INC varia de zero a 200 pontos. O intervalo de zero a 100 representa o campo do pessimismo e, de 100 a 200, o do otimismo. A pesquisa foi feita entre os dias 1º e 12 de abril em todas as regiões brasileiras.  
 
“O resultado de abril indica que o brasileiro continua pessimista quanto aos rumos do País. Na política, as revelações de corrupção e as divulgações das listas de políticos envolvidos em esquemas ilegais minam o otimismo", afirma Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de SP (Facesp). 

"No campo econômico, as quedas da taxa básica de juros não foram repassadas para o consumidor - por isso o Banco Central precisa intensificar o corte da taxa Selic e agir para que os bancos repassem. Isso estimulará o consumo das famílias e, consequentemente, o crescimento da confiança, ainda que lentamente”, completa Burti.  

EMPREGO

Todos os componentes do INC de abril variaram dentro da margem de erro da pesquisa, que é de três pontos. O levantamento mostra que 59% dos entrevistados estão inseguros no emprego (ante 56% em março) e apenas 14% se sentem seguros (na comparação com 17% no mês anterior).

Já 57% avaliam como ruim sua atual situação financeira, ou seja, o mesmo percentual registrado em março. Outros 27% acham que essa situação vai piorar nos próximos meses ( contra 26% no mês anterior).

“Com isso, o consumidor evita fazer compras parceladas, sobretudo de bens de maior valor, em razão do crédito escasso e caro”, diz Burti.

CLASSES

A classe C registrou a maior queda do INC em abril, de 63 pontos (oito a menos sobre março). No grupo das classes A/B a confiança marcou 58 pontos (ante a 63 no mês anterior). Por fim, na classe D/E o indicador variou dentro da margem de erro e registrou 77 pontos (74 em março).  

REGIÕES

Com apenas 48 pontos em abril, a confiança do consumidor do Nordeste atingiu mínima recorde. Foi uma queda de quatro pontos sobre março devido à seca prolongada.  

No Sul, o INC despencou 20 pontos e marcou 73 pontos em abril, resultado das fortes chuvas. No Sudeste, o indicador foi de 64 pontos (69 em março).

Na contramão, no grupo de regiões Norte/Centro-Oeste a confiança subiu, anotando 92 pontos em abril contra 86 em março, o que foi motivado pelo bom desempenho da safra agrícola.

FOTO: Thinkstock



É o que revela o Índice Nacional de Confiança (INC) da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), na análise do período entre janeiro e maio. Desemprego ainda é principal fator

comentários

Queda ocorre após cinco altas consecutivas, período em que o indicador acumulou um avanço de 11,1 pontos, de acordo com a FGV

comentários

Com resultado positivo em maio, o Índice de Confiança do Consumidor acumula alta de 11,1 pontos em 2017, de acordo com a FGV

comentários