Brasil

BNDES vai estruturar a privatização de estatais


Programa tem potencial para garantir uma nova “onda” de privatizações no país, na avaliação da equipe econômica


  Por Estadão Conteúdo 23 de Junho de 2016 às 11:19

  | Agência de notícias do Grupo Estado


O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai estruturar as operações de privatização das estatais controladas pelos Estados.

Prioridade da presidente da instituição, Maria Sílvia Bastos Marques (foto), o programa tem potencial para garantir uma nova "onda" de privatização no país, na avaliação de integrantes da equipe econômica.

LEIA MAIS: Nova presidente do BNDES ganha fama de 'trator'

O dinheiro com a venda das estatais estaduais será usado para o abatimento da dívida com a União.

Na reunião que selou o acordo de auxílio financeiro a governadores, na segunda-feira (20/06), a secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, já apresentou as linhas gerais do programa aos secretários de Fazenda.

O banco de fomento vai assumir o papel que o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, desenhou para a instituição, que não deve se resumir aos financiamentos das empresas.

O BNDES já é o gestor daquela que será a primeira privatização do governo Temer, a concessionária de energia de Goiás, Celg.

O processo já estava encaminhado na gestão da presidente afastada Dilma Rousseff, mas acabou sendo interrompido por conta das negociações que as lideranças políticas do PT fizeram às vésperas da votação do impeachment.

"Depois de mais de 10 anos sem poder dizer a palavra privatização, o BNDES vai liderar esse processo", disse Ana Carla Abrão, secretária de Fazenda do Estado de Goiás.

Depois da venda da Celg, de acordo com ela, Goiás prepara um ambicioso plano de venda de ativos do governo estadual.

LEIA MAIS: Governo quer acelerar renovação de contratos de concessões  

Já o Estado de Alagoas quer fazer uma parceria público-privada (PPP) para a administração do laboratório estadual desativado Lifal. A estimativa é que precise de investimento inicial de R$ 18 milhões.

A versão do programa de auxílio aos Estados, que estava sob a coordenação da equipe econômica anterior, de Nelson Barbosa, já previa a alienação de ativos como contrapartida para que os Estados pudessem antecipar abatimentos do estoque da dívida.

No entanto, no governo afastado do PT, o termo privatização era mal visto.

Procurado, o BNDES afirmou que não há um programa específico, mas que essa será uma das funções do banco na gestão Maria Sílvia.

Foto: Estadão Conteúdo